Paul Singer

Professor fala sobre nazismo, PT, governo Lula e economia

O entrevistado deste 3 a 1, Paul Singer, nasceu na Áustria mas pensa o Brasil todos os dias: é o economista e professo que recentemente completou 80 anos de idade e 72 anos de Brasil.

Na entrevista, relembra o medo e o terror ao nazismo de Hitler, que trouxe sua família ao Brasil. E a consciência de ser judeu, que até então ainda não tinha. Paul Singer analisa também o Brasil de hoje, na opinião do economista, um dos melhores momentos da história do país, com uma grande distribuição de renda e o menor índice de desemprego.

Sendo ele um dos  fundadores do PT, confessa no programa,  decepção com o início do governo Lula, quando vieram as primeiras nomeações na área econômica – com Meirelles e toda a diretoria do governo anterior mantida no Banco Central. Decepção também com a decisão de se manter as metas da inflação e a flutuação do câmbio, uma reviravolta na pregação do PT, quando na oposição.

Reconhece que o Plano Real deu chances ao primeiro governo Lula de criar os programas sociais, mas diz também que o plano da nova moeda brasileira provocou uma tragédia social, abrindo o país para os produtos estrangeiros, coreanos e chineses. "O custo social foi enorme", analisa paul singer. E ainda discute a economia no governo Dilma e se mostra apaixonado pelo trabalho que faz atualmente na Secretaria Nacional de Economia Solidária, do Ministério do Trabalho  – um caminho seguro de distribuição de renda no Brasil e nos países emergentes.