Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Sobreviventes da História

Conheça os relatos de quem sentiu na pele os horrores do Holocausto

Caminhos da Reportagem

No AR em 22/06/2017 - 22:00

"Quem tem a oportunidade de conversar com um sobrevivente acaba sendo uma testemunha também. Porque eu sou testemunha de ter conhecido um sobrevivente. Então, quem tiver a oportunidade, é bom se apressar porque sobreviventes estão ficando velhinhos e não duram para sempre”.

A afirmação de José Jakobson, filho de um sobrevivente do Holocausto, revela a importância de ouvir a história diretamente de quem a viveu. E, com esse objetivo, o Caminhos da Reportagem desta semana conversa com sobreviventes de um dos maiores genocídios que o mundo presenciou.

Muro do Museu do Holocausto de Curitiba
Muro do Museu do Holocausto de Curitiba - Reprodução/TV Brasil

O Holocausto matou 11 milhões de pessoas, seis milhões só de judeus. Muitos deles fugiram para o Brasil, além de outros países, antes, durante e depois da 2ª Guerra Mundial. Chegaram aqui debilitados, com sequelas físicas e psicológicas. “A ideia dos alemães era que nenhum judeu iria sobreviver à presença deles. Feroz mesmo! No fim da guerra eu estava pesando, quando já tinha comido, uns 30 quilos”, conta Nanette Konig, judia holandesa que sobreviveu ao nazismo. Ela foi colega de escola de Anne Frank, a menina judia que ficou famosa por escrever um diário enquanto vivia em um esconderijo com a família. As duas se reencontraram no campo de concentração. Anne Frank, assim como a família de Nanette, não sobreviveu. 

Nanette Konig foi colega de escola de Anne Frank
Nanette Konig foi colega de escola de Anne Frank - Reprodução/TV Brasil

Nossa equipe conversou com outros sobreviventes que testemunharam os horrores dos campos de trabalho forçado e de extermínio. “Lá em Auschwitz foi feita uma segregação. Um vagão ia para a morte, para o crematório, e o outro vagão ia para campos de trabalho. Se eu tivesse má sorte de estar no vagão que iria para a morte, não tinha me salvado”, afirma o judeu polonês Julian Gartner. Durante a guerra, os judeus e outros grupos perseguidos, como negros, ciganos, homossexuais e inimigos políticos, enfrentaram a fome, o frio, a perda da identidade, da família, da saúde e da vida. 

Conversamos com Anita Prestes, filha do comunista brasileiro Luiz Carlos Prestes com a judia alemã Olga Benário. Anita, que nasceu enquanto a mãe estava presa, se considera “filha da solidariedade internacional”, uma vez que foi libertada depois de uma campanha envolvendo vários países. Também conhecemos Salvador Haim, filho de um ex-prisioneiro que fez vídeos dentro de um campo de concentração na Bulgária. O feito, considerado inédito pelo Museu do Holocausto de Washington, contém imagens da rotina em um campo de concentração. “Mostra o pessoal trabalhando, quebrando pedra, afiando ferramenta, pondo dinamite para estourar pedra. Como ele fez o filme, quem autorizou, isso a gente não sabe”, narra Salvador. 

Anita Prestes, filha de Olga Bdenário e Luís Carlos Prestes
Anita Prestes, filha de Olga Bdenário e Luís Carlos Prestes - Reprodução/TV Brasil

O Caminhos da Reportagem também visita lugares de preservação da memória dos sobreviventes, como o Museu do Holocausto em Curitiba, que reúne documentos, fotografias e objetos dos judeus que vieram para o Brasil. Na Argentina visitamos o Centro Simon Wiesenthal, que leva o nome de um dos mais famosos caça-nazistas do pós-guerra.

Salvador Haim conta a história do pai, prisioneiro que fez vídeos dentro de um campo de concentração
Pai de Salvador Haim fez vídeos dentro de um campo de concentração

Ainda mostramos como os alemães lidam com esse capítulo da história, seja no currículo escolar, seja com projetos como as “pedras de tropeço”, intervenções artísticas espalhadas pela Alemanha e demais países europeus, em homenagem às vítimas do nazismo. 

Caminhos da Reportagem vai ao ar toda quinta-feira, às 22h, na TV Brasil.

Livros no Museu do Holocausto de Curitiba
Livros no Museu do Holocausto de Curitiba - Reprodução/TV Brasil

Ficha técnica:
Reportagem: Flavia Peixoto 
Imagens: André Rodrigo
Auxílio técnico: Hugo Montenegro 
Produção: Beatriz Abreu
Edição de texto: Francislene de Paula
Edição de imagem e finalização: Henrique Corrêa e Jerson Portela 
Arte: Antonio Trindade 
 

Ultimas

O que vem por aí