Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Filho de Quatro Patas

A "humanização" dos pets e o mercado bilionário de serviços

Caminhos da Reportagem

No AR em 30/11/2017 - 22:00

Já são mais de 52 milhões de cães nos lares brasileiros, segundo dados do IBGE. Números que ultrapassam as 44 milhões de crianças de 0 a 14 anos no país. Não por acaso, somos o terceiro maior mercado pet no mundo, atrás somente do Reino Unido e dos Estados Unidos. Um negócio que não para de crescer e tem como principal motor a paixão.

Barbara, mãe do Kobe
Barbara, mãe do Kobe - Divulgação

Considerados membros da família, os cães são cada vez mais paparicados por seus tutores, como são chamados os donos de bichos de estimação. Bárbara convenceu o marido a não ter mais filhos e adotar um cachorro. Hoje, ela tem um filhote da raça Staffordshire Bull Terrier: “O Kobe só não mamou no peito, porque ele não é humano e eu não tinha como fazer isso. Mas eu faço tudo por ele mesmo. É impressionante”.

No embalo das famílias que buscam dar mais conforto para seus cachorros, o mercado enxergou uma oportunidade. Em 2016, o faturamento do setor chegou a mais de 18 bilhões de reais, com previsão para crescimento este ano. Terapias alternativas, hidromassagens e atividades para socialização: são muitas as ofertas que mais parecem ter como público-alvo homens e mulheres e não cães. Estariam os bichos sendo humanizados? Para o Dr. Josélio Moura, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária, o cão ”veio ocupar um lugar porque o homem, que antes chamava homo sapiens, hoje é homo afetivos, quer dizer, ele é carente de afeto. E por isso ele tenta suprir essa carência cuidando dos animais”.

Hostel Bom para Cachorro
Hostel Bom para Cachorro - Divulgação

Eduardo Baer, fundador da Dog Hero, uma plataforma de hospedagem para cães, acredita que a humanização é um caminho natural: “Quando você trata o seu cachorro como um membro da família e acho que é super natural, e eu também faço isso, você tem uma expectativa de qualidade de serviço diferenciado. Você quer que seu cachorro seja bem cuidado, ele não é aquele cachorro que fica no quintal e vão lá dar comida pra ele e praticamente nem veem esse cachorro ou fica numa baia, numa gaiola.”

Veterinária Drª Roberta Sireno
Veterinária Drª Roberta Sireno - Divulgação

A Dra. Roberta Sireno aponta que a relação entre seres humanos e animais é benéfica para ambos, mas é preciso reconhecer que bichos precisam ser tratados como bichos. No programa, a veterinária também fala sobre o fortalecimento do sistema imunológico do bebê que convive com um animal de estimação em casa: “A criança que tem contato com animal desde pequeno evita problemas de alergia, rinite, alergia respiratória, porque você acaba desenvolvendo anticorpos no seu organismo desde cedo.”

Ficha Técnica
Reportagem: Alessandra Lago
Edição de texto e roteiro: Luciana Góes e Renata Cabral
Edição de imagens: Demétrio Rodrigues
Produção Executiva: Samantha Ribeiro
Imagens: João Victal

Ultimas

O que vem por aí