Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

O Paciente Invisível

Como a saúde mental dos indígenas é tratada no Brasil?

Caminhos da Reportagem

No AR em 22/11/2018 - 21:45

O que leva um índio a tirar a sua própria vida? Nos últimos dois anos foram 15,2 casos em cada 100 mil habitantes, o triplo em relação à população não indígena. Metade dos casos ocorreu na faixa etária de 10 anos a 19 anos. As causas para os altos índices de suicídio passam por depressão não tratada, consumo de álcool e de drogas. 

Sidnéia e Cidiele Braga só receberam a visita da psicóloga na aldeia seis meses depois que o irmão de 15 anos cometeu suicídio
Sidnéia e Cidiele Braga só receberam a visita da psicóloga na aldeia seis meses depois que o irmão de 15 anos cometeu suicídio - Divulgação/TV Brasil

Em Dourados (MS) o pajé Kaiowá Getúlio Juca Ava Poty Vera afirma que não havia suicídios nos tempos de seus ancestrais, e nem o termo existe no idioma da comunidade. Para ele, pode ser um feitiço – arapoju – uma doença invisível que “deixa a pessoa brava, que vai correndo tirar a vida”.

A limitação de espaço nas reservas, segundo lideranças indígenas, é uma das causas para a depressão do índio
A limitação de espaço nas reservas, segundo lideranças indígenas, é uma das causas para a depressão do índio - Divulgação/TV Brasil

Mas especialistas - antropólogos e agentes de saúde -, além das lideranças indígenas, são unânimes em afirmar que o confinamento em reservas contribui para as mortes. O Caminhos da Reportagem foi à Reserva Indígena de Dourados, no Mato Grosso do Sul, o segundo estado com o maior número de indígenas atacados pela “arapoju” e na Terra Indígena Jaraguá, em São Paulo. Tanto no interior do Brasil quanto na área urbana da capital paulista, a falta de profissionais de saúde e de uma política pública para assistir às questões psicológicas de Guarani e Kaiowá são impactantes.

"Eu queria estudar, ter uma profissão, ter uma vida comum", desabafa a indígena Guarani-Kaiowá que tentou suicídio
"Eu queria estudar, ter uma profissão, ter uma vida comum", desabafa a indígena Guarani-Kaiowá que tentou suicídio - Divulgação/TV Brasil

Ficha Técnica
Reportagem: Aline Beckstein
Produção: Aline Beckstein, Paula Abritta, Thaís Rosa e Lucas Scatolini (estagiário)
Imagens: Eduardo Viné, Jefferson Pastori, João Marcos Barboza e William Sales
Auxílio técnico: Caio Araújo, Ivan Meira, João Batista Lima e Wladimir Ortega
Apoio a imagens: Aline Beckstein
Videografismo: Lucas Souza Pinto
Apoio operacional: Antonio Blanes, Fabrizio Cesarino, Letícia Botelho, Priscila Stibich, Rafael Costa e Reinaldo Fagundes da Silva
Edição de imagens e finalização: Maikon Matuyama e Rodger Kenzo
Roteiro e direção: Bianca Vasconcellos
 

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.

Criado em 19/11/2018 - 12:55

Ultimas

O que vem por aí