Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

A vida offline

Quantas vezes você pensou em se desconectar do mundo digital?

Caminhos da Reportagem

No AR em 30/01/2020 - 21:00

Um abismo separa o mundo antes e depois da internet. Os usuários das redes sociais vivem entre a realidade que supera a ficção e a ficção que se apresenta como realidade. “Me pergunto sempre se eu vivo pra postar ou posto pra viver”, questiona-se a empresária e influenciadora digital Adriana Naccarato ao Caminhos da Reportagem. 

"Não sei se vivo pra postar ou posto pra viver", indaga a empresária Adriana Naccarato
"Não sei se vivo pra postar ou posto pra viver", indaga a empresária Adriana Naccarato - Divulgação/TV Brasil

Em busca de likes e seguidores, os usuários das redes sociais estão na mira dos psicólogos com um novo tipo de dependência: a tecnológica. “O brasileiro é o segundo que mais gasta tempo na internet. São nove horas por dia. Somos os campeões do uso do Whatsapp e estamos entre os três que mais utilizam as redes sociais”, diz Cristiano Nabuco, coordenador do Grupo de Dependências Tecnológicas do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo (USP).

"Pensei que eu iria desaparecer quando troquei meu smartphone por um celular comum de botãozinhos", relata a fotógrafa Ana Rovati
"Pensei que eu iria desaparecer quando troquei meu smartphone por um celular comum de botãozinhos", relata a fotógrafa Ana Rovati - Divulgação/TV Brasil

O estudante Matheus Castillo admite que passou três anos vivendo dentro de uma sala de games. Passava até 16 horas diante do computador, deixando de tomar banho durante vários dias. “Naquela época eu preferia ser quem eu era nos jogos: um campeão que quando entrava na sala, todo mundo falava ‘caramba, ele chegou’!”. O vício de estar conectado com os games será sempre uma preocupação para os pais de Matheus, que dizem estar alertas com o filho para sempre. 

O Caminhos da Reportagem aponta soluções pragmáticas de quem já ficou desconectado por um ano como a fotógrafa Ana Rovati. Uma das medidas é adotar o mapa físico e voltar a se perder. “Eu estava com medo de errar, de não saber chegar nos endereços”, ela conta. No mundo solitário das conexões digitais, Ana descobriu algo que muitos se esquecem: as pessoas ajudam quando você precisa. 

"Eu me sentia mais feliz sendo um herói da sala dos games do que a minha vida naqueles três anos", diz o estudante Matheus Campos
"Eu me sentia mais feliz sendo um herói da sala dos games do que a minha vida naqueles três anos", diz o estudante Matheus Campos - Divulgação/TV Brasil

Ficha técnica
Reportagem: Bianca Vasconcellos, Deise Machado, Éverton Siqueira, Maria Clara Pereira e Sarah Quines
Produção: Deise Machado, Éverton Siqueira Gomes (estagiário) e Maria Clara Pereira (estagiária)
Imagens: Alexandre Nascimento, Eduardo Viné Boldt, Jefferson Pastori, João Marcos Barboza e William Salles
Auxílio técnico: Caio Araújo, Eduardo Domingues, Ivan Meira, João Batista e Wladimir Ortega
Videografismo: Lucas Souza Pinto
Apoio operacional: Antonio Blanes, Franklin Charles Juviniano, Fabrizio Cesarino, Henrique Azevedo, Rafael Costa e Thales Nascimento da Cunha
Apoio à edição de imagens: Caio Cardenuto e Rodrigo Botosso
Edição de imagens e finalização: Maikon Matuyama
Roteiro e direção: Bianca Vasconcellos

Criado em 16/12/2019 - 10:40

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí