Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Morte materna: histórias de dor e saudade

De acordo com o Sistema de Informação sobre Mortalidade, do Ministério

Caminhos da Reportagem

No AR em 20/10/2016 - 22:50

Mulheres grávidas aguardam atendimento em um Centro de Saúde da Asa Sul, em BrasíliaMorte materna é a morte de mulheres durante a gestação, o trabalho de parto ou até 42 dias após o término da gravidez, no período chamado puerpério. É causada por qualquer fator relacionado ou agravado pela gravidez ou por medidas tomadas em relação a ela.

A médica obstetra Esther Vilela coordena a área técnica de saúde da mulher do Ministério da SaúdeO Brasil não alcançou a meta de redução de mortalidade materna recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 35 mortes para cada 100 mil nascidos vivos. Embora o país tenha conseguido reduzir os índices, ainda registra, em média, 62 mortes para cada 100 mil nascidos vivos. Os estados que lideram esses índices são Bahia, Pará, Maranhão e Rio de Janeiro.

De acordo com a médica obstetra Esther Vilela, coordenadora da área técnica de saúde da mulher do Ministério da Saúde, "a grande questão da morte materna é o seu grau de evitabilidade, ou seja, em torno de 92% dessas mulheres que morreram por questões maternas, elas não precisariam ter morrido. Isso causa nas famílias que perderam essas mulheres uma grande dor e em nós também, gestores, profissionais de saúde, ninguém quer que uma mulher morra decorrente da morte materna".

O Caminhos da Reportagem vai contar cinco histórias de mulheres que perderam a vida por diferentes causas, mas todas com algo em comum: envolviam gestação, parto ou puerpério. Familiares contam o que essas vítimas enfrentaram para obter atendimento médico e falam sobre a luta por justiça.

Pais de Nayres vivem em Alcântara (MA) e buscam respostas da JustiçaEntre os casos está a história de Nayres Rodrigues. A jovem de 19 anos vivia em Alcântara, no Maranhão e, em 2015, faleceu durante o trabalho de parto. O bebê também não sobreviveu. A jovem mãe foi enterrada com o filho ainda na barriga e, mais de um ano depois da morte dos dois, a família aguarda o laudo da exumação do corpo e ainda busca entender o que aconteceu.

Ainda no Maranhão, o programa revela as dificuldades que as gestantes enfrentam para ter acesso aos serviços básicos de saúde. Em locais improvisados - como escolas e casas cedidas pelos próprios moradores -, a equipe da Força Nacional de Saúde oferece atendimento à população do interior do estado.

Catiane Alves, 25, é estudante, está grávida do sexto filho e sua gestação é de alto risco. Além de ter de esperar a visita de algum médico na região, precisa do irmão para levá-la de moto ao local do atendimento, que acontece distante de sua residência.

Médico da Força Nacional de Saúde realiza atendimento no interior do Maranhão“A gente observa, pelos povoados que a gente já andou, assim, uma dificuldade de acesso ao serviço de saúde. Até pelo ambiente mesmo, que é cheio de rios, dunas, o posto é longe, o pessoal não tem condição de se deslocar”, diz a enfermeira Flávia Rodrigues, que atua na Força Nacional de Saúde.

O Caminhos da Reportagem também vai mostrar os desafios para a humanização dos serviços de saúde pública e, ainda, relembrar a história de Alyne Pimentel, que faleceu aos 28 anos no corredor de um hospital no Rio de Janeiro aguardando por um leito. Uma história de omissão e descaso que levou o país a ser condenado pelo Comitê para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (CEDAW).

 

Reportagem: Débora Brito
Produção: Débora Brito, Mariana Fabre, Paula Abrita, Suzana Guimarães, Renata Cabral, Luciana Góes, Gabriel Corrêa, Tatiane Costa, Luanda Belo
Edição de texto: Suzana Guimarães
Edição de imagens e finalização: Henrique Corrêa
Imagens: André Rodrigo Pacheco (DF), Rogério Verçoza (DF), Sigmar Gonçalves (DF), Nerivan Ramos (MA), Geylson Paiva (MA), Edina Girardi (RJ), Luís Araújo (RJ), Marcelo Padovan (RJ)
Auxílio técnico: Alexandre Souza (DF), Edivan Viana (DF), Antônio Azevedo (MA), Fernando Cortes (RJ), Leonardo Assis (RJ), Pablo Costa (RJ)
Arte: Pedro Ivo de Oliveira




Ultimas

O que vem por aí