Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Roseann Kennedy conversa com o cardiologista Brasil Caiado

Médico fala sobre a proximidade de sua profissão com o mundo político

Conversa com Roseann Kennedy

No AR em 04/12/2017 - 21:30

O cardiologista Brasil Caiado vem de uma família que tem tradição na política. O avô foi governador, o pai, deputado federal quatro vezes e também prefeito. Mas o médico nunca pleiteou cargo público e diz que nem sequer teve vontade. No entanto, o mundo político continua ao seu redor. Ele tem na lista de clientes nomes de ex-governadores, senadores e deputados e inúmeras autoridades.

Roseann Kennedy conversa com o cardiologista Brasil Caiado

Roseann Kennedy conversa com o cardiologista Brasil Caiado - Divulgação

Sempre discreto e ético, foi responsável pelas informações clínicas quando o governador cassado do DF José Roberto Arruda foi preso e ele teve que atendê-lo na prisão da Polícia Federal.

Sobre essa proximidade de sua profissão com o mundo político, Brasil Caiado declara: “Eu particularmente sempre quis separar a profissão de médico e paciente. Do ponto de vista político, eu vejo pessoas, seres humanos. Não deixo muito que essa coisa se misture, mesmo porque são partidos variados, pessoas que as vezes se desentendem, mas que no consultório todos eles se entendem com o médico”.

Há 25 anos em Brasília, o cardiologista diz que sempre atendeu personalidades da política. 

“A gente percebe nitidamente a relação da profissão com o estresse. E a gente tem por obrigação tentar ajudar os pacientes a usar caminhos diferentes para tentar, do ponto de vista da atividade física, regular os horários que não são fáceis, principalmente em anos eleitorais. É uma dificuldade. A gente não encontra ninguém em consultório em ano eleitoral. Às vezes, a gente percebe uma negligência com a saúde para a dedicação com a política, tamanha é a demanda de tempo para exercer hoje a política brasileira, não é fácil mesmo não”.

Apaixonado pela profissão, Dr. Brasil Caiado diz que, na especialidade da cardiologia, uma das coisas que ele mais ensina e tenta influenciar nas pessoas é a busca pelo equilíbrio. “A vida é feita do equilíbrio. Qualquer coisa que faz você sair do eixo, pode ser o excesso de trabalho, o excesso de alimentação, o próprio excesso de exercício, o organismo não gosta. Não é bom para a saúde”. Também diz que, para garantir uma boa qualidade de vida, é preciso conjugar a dedicação ao trabalho, à família, ao exercício físico, ao lazer e ter os períodos de férias a cada ano. Só assim é possível envelhecer com saúde.

Dr. Brasil Caiado fala sobre a proximidade de sua profissão com o mundo político

Dr. Brasil Caiado fala sobre a proximidade de sua profissão com o mundo político - Divulgação

Mesmo com a longevidade no país e no mundo aumentando a cada dia, Dr. Brasil faz um alerta: “A prevenção ainda é o maior remédio”. Por isso, o cardiologista defende a dieta do mediterrâneo, que é rica em vegetais e peixes que tem gorduras poli-insaturadas. “Esse equilíbrio de muito peixe, ômega 3, com saladas, menos gordura, a diferença é significativa do ponto de vista da prevenção.O brasileiro de forma geral come mal. A gente tem uma dieta rica em gordura e muito sal também. É preciso reeducar esse esquema de divulgação, de reeducação da população, porque a alimentação está diretamente relacionada com a doença cardíaca”.

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.

Criado em 01/12/2017 - 15:50

Ultimas

O que vem por aí