Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Paulo Salles, neto de Cora Coralina, fala sobre o legado da avó

Especialista em ecologia também comenta o 8º Fórum Mundial da Água

Conversa com Roseann Kennedy

No AR em 26/02/2018 - 21:15

“É uma boa combinação falar sobre água e sobre Cora Coralina”, afirma logo no início da conversa o biólogo Paulo Salles, neto da poetisa da Cidade de Goiás (GO) que fazia doces e falava das coisas simples da vida, com uma visão além de seu tempo, inclusive na preocupação com o meio ambiente.

Especialista em ecologia e em recursos hídricos, o professor aposentado da Universidade de Brasília é um dos treze netos de Cora Coralina e o único que chegou a morar com a avó. Como diretor da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), Paulo Salles faz parte da organização do 8º Fórum Mundial da Água, que vai ser realizado em Brasília, de 19 a 23 de março de 2018.   

Neto de Cora Coralina, Paulo Salles é especialista em ecologia e em recursos hídricos
Neto de Cora Coralina, Paulo Salles é especialista em ecologia e em recursos hídricos - Divulgação

O Brasil é o primeiro país do hemisfério sul a receber o Fórum, que é o maior evento do mundo voltado para o debate das questões relativas à água. A oitava edição tem como tema “compartilhando água”. A expressão, explica Paulo Salles, tem vários significados, como o compartilhamento físico dos rios e nascentes por diferentes municípios, estados e países; a divisão da responsabilidade na gestão dos recursos hídricos e a distribuição dos seus benefícios. “Todos os que bebem água são responsáveis pela água, assim como todos os setores da sociedade têm direito a ela", enfatiza Salles, citando a legislação brasileira. 

“O Fórum não é um evento de governo, assim como também não é da sociedade civil. Ele tem todos esses elementos, e a água é vista praticamente de todos os aspectos”, diz o diretor-presidente da Adasa. Segundo Salles, um dos principais cuidados da organização do evento é garantir “a inclusão de todas as vozes que, de alguma forma, estão relacionadas com o uso da água e que terão seu espaço para apresentar problemas e aprender soluções”. 

Muito antes que a preservação ambiental entrasse para a agenda pública, Cora Coralina já mostrava consciência sobre os cuidados com a natureza. Paulo Salles cita um artigo escrito pela avó em 1922, em que ela alertava para os riscos do desmatamento provocado pelo progresso. A poetisa defendia o replantio de mudas como forma de prevenir a falta de água no futuro.   

Sobre a convivência com Cora, ele conta que “ela sempre foi uma pessoa muito otimista em relação ao futuro. Não tolerava, por exemplo, que as pessoas pensassem que o passado era melhor que os tempos presentes.”   

Salles confessa que só entendeu a importância da avó como poeta na época de estudante universitário. “Eu comecei a ver Cora Coralina não mais como aquela minha avó, mas como uma pessoa pública, uma pessoa muito especial, uma pessoa que despertava nas outras um grande interesse”. Uma das suas lembranças é de ver as portas do casarão da Cidade de Goiás sempre abertas. “Eu tive a oportunidade de presenciar muitos encontros dela com pessoas que vinham visitá-la. Sistematicamente as pessoas saíam emocionadas da conversa que tinham com Cora Coralina”, lembra.  Esse e outros aspectos da vida da poetisa são contados no filme 'Cora Coralina – todas as vidas', do cineasta Renato Barbiere, que estreou nos cinemas em dezembro do ano passado. Salles é um dos entrevistados. 

Paulo Salles conversa com Roseann Kennedy
Paulo Salles conversa com Roseann Kennedy - Divulgação

Para ele, a obra de Cora fez tanto sucesso porque “mostrou o valor das coisas muito simples”, sendo aceita e entendida pelas pessoas. “Não era à toa que ela dizia: 'Na minha vida eu removi pedras e plantei flores'. Ou seja, quando as pedras aparecem você consegue fazer alguma coisa também”, destaca.

 

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.

Criado em 23/02/2018 - 11:10

Ultimas

O que vem por aí