Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Surdos vivem como estrangeiros dentro do país, diz intérprete

Elizângela Castelo Branco luta pela inclusão da comunidade surda

Conversa com Roseann Kennedy

No AR em 03/12/2018 - 21:15

Elizângela Castelo Branco ficou conhecida em todo país quando apareceu ao lado de Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral e atraiu os holofotes no pronunciamento da vitória. Chegou a ser alvo de brincadeiras na internet por causa das expressões faciais usadas na interpretação de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) do discurso. Ela diz que não ficou chateada e que o episódio foi proveitoso. “A gente está podendo falar, está podendo desmistificar, podendo educar e ensinar as pessoas. Pela primeira vez na história, os surdos puderam participar de todos os momentos dessa eleição. Os surdos puderam ver e acompanhar as propostas desses presidentes, nos debates, nas emissoras. E a cereja do bolo foi no pronunciamento. Após ser eleito, o presidente ter uma intérprete ao lado”, diz orgulhosa.

Elizângela Castelo Branco é intérprete de LIBRAS há mais de 20 anos
Elizângela Castelo Branco é intérprete de LIBRAS há mais de 20 anos - Divulgação/TV Brasil

Com grande engajamento na causa dos deficientes, bandeira defendida também pela primeira dama Michele Bolsonaro, Elizângela começou a carreira de forma despretensiosa, em cultos religiosos. Hoje é coordenadora do ministério Incluir da Igreja Batista Atitude, no Rio de Janeiro.  Em entrevista ao Conversa com Roseann Kennedy, ela fala da necessidade de inclusão da comunidade surda no país.

Carioca e pedagoga, hoje é professora de LIBRAS da UFRJ e intérprete há mais de 20 anos. No Facebook, curte a página "BolsoSurdos", que apoia o presidente eleito Bolsonaro e vê com bons olhos a participação e a inclusão política desta comunidade. “Eu vejo que isso é empoderamento da comunidade surda. Assim como a direita fez, a esquerda também. E fizeram ao mesmo tempo”, analisa.

Ao falar de seu trabalho, ela relembra experiências pitorescas de sua carreira. “Já interpretei parto, foi muito emocionante! Nesse caso, o pai e a mãe eram surdos. E os próprios médicos estavam inseguros.” Mesmo com uma área de atuação promissora que inclui a interpretação de LIBRAS em congressos, na área educacional, jurídica e da saúde, Elizângela ressalta a importância desse trabalho através de um alerta: “Muitos surdos são medicados equivocadamente, porque, às vezes, eles vão sozinhos para o médico e o médico pensa que entendeu”. Para ela essas pessoas precisam ser ouvidas e entendidas: “No caso médico isso é muito sério. Surdos morrem, surdos são presos porque às vezes foram pegos em algum lugar suspeito e eles não podem se defender”.

E por fim, a intérprete diz que a situação dos surdos no país precisa ser revista e repensada “Os surdos são brasileiros, mas vivem como estrangeiros dentro do seu próprio país. Porque a maioria das pessoas não conhecem a língua de sinais”.

“Os surdos são brasileiros, mas vivem como estrangeiros dentro do seu próprio país”, diz Elizângela Castelo Branco, a intérprete de LIBRAS da campanha de Bolsonaro
“Os surdos são brasileiros, mas vivem como estrangeiros dentro do seu próprio país”, diz Elizângela Castelo Branco, a intérprete de LIBRAS da campanha de Bolsonaro - Divulgação/TV Brasil

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.

Criado em 29/11/2018 - 15:45

Ultimas

O que vem por aí