Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Diálogo Brasil debate a desigualdade social no país

Cresce o número de brasileiros abaixo da linha de pobreza

Diálogo Brasil

No AR em 09/10/2017 - 22:00

Cerca de 3,6 milhões de pessoas devem voltar à miséria este ano no Brasil, segundo estimativa do Banco Mundial. Elas vão se juntar a outros 16 milhões que já vivem abaixo da linha da pobreza, com menos de R$ 230 por mês. E o quadro se torna ainda mais aterrador com a informação da organização humanitária Oxfam Brasil – que integra uma confederação com atuação em 94 países – de que a riqueza acumulada por apenas seis bilionários brasileiros é igual à de quase 100 milhões de pessoas

Para debater o tema, o Diálogo Brasil desta segunda-feira 9 de outubro entrevista o técnico de planejamento e pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Rafael Guerreiro Osório e o doutor em sociologia e professor da Universidade Católica de Brasília Luis Otávio Teles Assumpção. Para a Oxfam Brasil, a desigualdade é reversível. Osório concorda, mas diz não haver movimentos para revertê-la. “O Congresso acabou de aprovar um pacote de perdão da dívida de grandes devedores, num momento em que não se tem recursos para fazer política, que a arrecadação está caindo e que o buraco está cada vez maior”, critica.

]Segundo Rafael Osório, a desigualdade se cristaliza e são muitas as dificuldades para combatê-la. Para Luis Otávio Teles Assumpção, trata-se de uma “herança colonial escravocrata”. Ele também aponta para o Congresso e a atual legislatura, que avalia como extremamente conservadora. Já a diretora executiva da Oxfam Brasil, a socióloga Katia Maia, que gravou um vídeo para o programa, critica a aprovação, pelo Legislativo, de uma proposta de emenda constitucional que fixa um teto para os gastos públicos.

Em outra participação por vídeo, a socioeconomista Sandra Quintela, coordenadora-geral do Instituto de Políticas Alternativas para o Cone Sul, destaca as diferenças de renda por gênero e cor da pele. Na opinião dela, o Brasil precisa ir além de políticas assistencialistas para corrigir as desigualdades. Já a socióloga e assessora técnica do Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Jolúzia Batista, enfatiza que, dentre as desigualdades, a maior continua sendo a da mulher negra em relação ao restante da população.

O Diálogo Brasil vai ao ar toda segunda-feira, às 22h, pela TV Brasil.

Ultimas

O que vem por aí