Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

LGBTfobia é uma das fortes causas do abandono escolar

Especialistas alertam para a questão no Estação Plural

A LGBTfobia ainda é uma triste realidade no país, inclusive nas escolas, sendo uma das causas preponderantes do abandono escolar. Segundo a Pesquisa Nacional Sobre o Ambiente Educacional no Brasil 2016, 27% dos entrevistados afirmaram ter sofrido agressão na escola e 73% foram alvos de xingamento em razão de sua orientação sexual. 

Em relação à identidade ou expressão de gênero, 25% foram agredidos fisicamente dentro da escola e 68%, verbalmente. A pesquisa, da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), indica que menos da metade (42,4%) desses estudantes informou à instituição alguma vez. 

Visibilidade Trans: a realidade do mercado de trabalho para transexuais

Bernardo Fonseca é autor do livro "Diferentes, não desiguais"
Bernardo Fonseca é autor do livro "Diferentes, não desiguais" 

Esse baixo índice de informe, segundo a pesquisa, denota falta de apoio da direção e corpo docente em relação aos acontecimentos e, também, um despreparo dos professores para tratar do tema. "A gente percebe que a comunidade LBGT é expulsa dentro do ambiente escolar", avalia Bernardo Fonseca, autor do livro "Diferentes, não desiguais".

O escritor critica o "silenciamento" da discussão sobre identidade gênero e orientação sexual nas escolas depois que o Ministério da Educação retirou as menções a essas expressões da nova versão da Base Nacional Comum Curricular, que serve de referência para o ensino nas escolas públicas e privadas.

Lineker relata bullying que sofreu na escola por causa de orientação sexual

Toni Reis, secretário de educação da ABGLT
Toni Reis, secretário de educação da ABGLT

Para Toni Reis, secretário de educação da ABGLT, é muito importante que as vítimas desse preconceito e bullying façam denúncia. "Ninguém merece ser motivo de chacota, piada ou apanhar, principalmente na escola, onde você aprende a ser cidadão ou cidadã". O ativista orienta que os/as estudantes denunciem o caso para as ouvidorias do Ministério da Educação, da Secretaria de Estado da Educação e também para o Disque 100.

O Estação Plural discute mais sobre esse tema nesta sexta-feira (7/7), às 23h, na TV Brasil. 

Ultimas

O que vem por aí