Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Marcelo Tas fala sobre transexualidade no Estação Plural

Preconceitos linguísticos e crimes digitais também estão na pauta

O jornalista e apresentador Marcelo Tas participa do programa Estação Plural desta quarta (12), às 22h15, na TV Brasil. Com sua irreverência característica, o convidado, que também é ator, recorda alguns dos diversos personagens que já interpretou na televisão.

Durante a entrevista para os apresentadores Ellen Oléria, Mel Gonçalves e Fernando Oliveira (Fefito), Tas também aborda assuntos sérios como a relação com o filho Luc que é transexual, os preconceitos linguísticos, os crimes digitais e a capacidade de argumentação.

Dono de um espírito provocador inconfundível, o também diretor e roteirista reflete sobre a argumentação nos embates da sociedade contemporânea e alerta para as ocasiões em que o diálogo se torna agressão.

"Todos nós hoje temos uma tarefa de transformar isso. A gente precisa principalmente conviver com quem pensa diferente de nós. Através da conversa vamos trocando ideias e lidando com o conflito. O confronto é quando se parte para a ignorância", define ao destacar os ataques às mulheres, aos gays e aos negros apenas por serem quem são.

Ícone da infância dos anos 1980, Marcelo Tas vivenciou personagens como o repórter fictício Ernesto Varela e o Professor Tibúrcio no programa infantil "Rá-Tim-Bum". Quando os apresentadores ainda eram crianças, Tas já brilhava nas telinhas e conta histórias daquela época. Eles aproveitaram a presença do jornalista no Estação Plural para se lembrar do refrão que o professor sempre usava: "Por que sim não é resposta!".

A apresentadora Mel Gonçalves, como mulher trans, tinha outro tema importante com Tas: agradecer pela maneira como ele, pai do trans homem Luc, se referiu a essa questão sempre com naturalidade e clareza. Essa introdução levou às pautas do programa: a relação de Tas com os professores que teve pela vida e as lições que aprendeu com seu filho Luc. "A ignorância é algo muito perigoso. Quando você tem medo de aprender coisas novas, pode causar violências terríveis", afirma.

Preconceito linguístico

O programa da TV Brasil aborda ainda preconceitos linguísticos, crimes digitais e como as pessoas às vezes tiram conclusões apressadas com base em sotaques e regionalismos. No quadro do dicionário pajubá, Marcelo Tas tem que descobrir o significado da palavra “BET” (lê-se Betty) na gíria LGBT. Será que ele acerta?

O Estação Plural consulta o professor de língua portuguesa Sérgio Nogueira Duarte que fala sobre o combate à intolerância linguística e a respeito da língua padrão. "O preconceito linguístico é uma realidade. Precisamos aprender as variantes linguísticas. Todas têm o seu valor e seu devido lugar o que nos cabe é saber fazer a devida adequação: quando eu posso utilizar determina linguagem", pondera.

Para Marcelo Tas, é preciso respeita a diversidade nacional. "A riqueza do Brasil é essa variedade de raças, sotaques... A gente não pode negar isso", defende. Ele ainda conversa com os apresentadores sobre as expressões e os neologismos próprios da era internet. "Eu tento mais aprender do que ensinar. O grande truque na internet é ouvir", opina.

Discussão na web e crimes digitais

Ainda no tema da web, ele não admite entrar em embates rasos. "Eu tenho uma regra para discussão nas redes sociais. Se a pessoa partir para a agressão não dá pra continuar a conversa. Procuro debater com gente que foi muito mais pesada na argumentação, muitas vezes até me acusando de coisas que não fiz, para continuar o diálogo do que quem parte para o xingamento", explica.

Sobre os crimes digitais, Marcelo Tás é enfático. "É preciso denunciar e falar com transparência. Não se pode abaixar a cabeça nem colocar pra debaixo do tapete. A gente atribui a internet poderes malévolos, mas são pessoas que estão por trás dessas ações. É legal para a gente afinar a nossa sensibilidade".

O jornalista vai além. "A notícia que eu tenha é a seguinte: não tem volta. Estamos em uma era que só se acelera. Não se pode ter medo. É uma era da transparência. As coisas não ficam mais escondidas até para um caso de intimidade. A gente vai ter que saber conviver com esse barulho.", finaliza.

No quadro do desafio Aurélia, momento em que os convidados buscam adivinhar o significado de termos do universo LGBT, Marcelo Tas tenta descobrir o sentido da expressão "BET" na linguagem pajubá.

Sobre o programa

Apresentado por Ellen Oléria, Mel Gonçalves e Fefito toda quarta-feira na TV Brasil, o programa Estação Plural também vai ao ar nas ondas do rádio. O ouvinte pode acompanhar a atração às sextas, às 23h, pela Rádio Nacional FM de Brasília e pela Rádio Nacional AM de Brasília.

Serviço
Estação Plural – quarta-feira, dia 12/12, às 22h15, na TV Brasil
Estação Plural – sexta-feira, dia 14/12, às 23h, na Rádio Nacional FM Brasília (96,1MHz)
Estação Plural – sexta-feira, dia 14/12, às 23h, na Rádio MEC AM Brasília (800kHz)

Da Gerência de Comunicação Institucional
Empresa Brasil de Comunicação - EBC
Contato: (21) 2117-6471 / (21) 2117-6239

Criado em 11/12/2018 - 15:30 e atualizado em 11/12/2018 - 15:30

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Ultimas

O que vem por aí