Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Mercado Musical

Episódio traça panorama da indústria fonográfica

Mídia em Foco

No AR em 21/05/2018 - 22:45

Ouvir, criar e reproduzir músicas são práticas que acompanham o ser humano há milênios. Durante muito tempo a música foi passada oralmente e depois também através da escrita musical. 

Confira o conteúdo extra deste episódio

Em 1877 Thomas Edison inventa o fonógrafo: primeiro aparelho capaz de gravar e reproduzir sons. Dez anos depois Emile Berliner patenteia o gramofone. O aparelho traz inovações como o uso de discos de 78 rotações ao invés de cilindros. Era o início da indústria fonográfica.

O empreendedor tcheco Frederico Figner foi responsável por dois grandes marcos no Brasil: em 1900 inaugurou no Rio de Janeiro a Casa Edison – primeiro estúdio de gravação brasileiro. E em 1913 instalou também no Rio a primeira fábrica de discos – a Odeon. 

O advento do rádio, a evolução das tecnologias de gravação e o barateamento dos equipamentos e suportes para o consumo de música contribuíram para o desenvolvimento da indústria musical no Brasil.

Consumir música no formato analógico é um hábito que está ressurgindo com a volta dos LPs. A Sony, por exemplo, voltou a produzir recentemente discos de vinil depois de um hiato de trinta anos. Ao mesmo tempo, ouvir músicas em plataformas digitais é uma tendência natural. A tecnologia digital também tirou o monopólio das gravadoras e trouxe mais poder aos artistas. Como está o mercado musical hoje?

Patrícia Palumbo, jornalista e diretora da Web Rádio Vozes, no Mídia em Foco
Patrícia Palumbo, jornalista e diretora da Web Rádio Vozes, no Mídia em Foco - Divulgação/TV Brasil

Participam deste episódio:

Eduardo Vicente, professor da Escola de Comunicações e Artes da USP.

Fabiana Batistela, diretora da Semana Internacional de Música de São Paulo.

Patrícia Palumbo, jornalista e diretora da Web Rádio Vozes.

Tags:  mercado musical

Ultimas

O que vem por aí