Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

O pop de Leoni e Verônica Sabino

Musicograma resgata as trajetórias musicais de inquietação criativa

Musicograma

No AR em 21/04/2013 - 00:30

Leoni - Arte: Osmério EllerVerônica Sabino - Arte: Osmério EllerLeoni e Verônica Sabino - Arte: Osmério EllerKid Abelha e os Abóboras Selvagens, João Penca e seus Miquinhos Amestrados, Gang Noventa e as Absurdetes, Paralamas do Sucesso, Engenheiros do Hawaii... Com nomes que lembravam títulos de chanchadas, o rock tupiniquim fez frente ao pop rock internacional e reinou absoluto nos anos 1980. Criou e incensou ídolos.

Mas nessas manobras surreais do mercado fonográfico, o Rock-BR começou a perder espaço para o sertanejo depois que o ex-presidente Collor disse numa entrevista que amava Chitãozinho e Xororó.
Foi o bastante para a Globo apostar na série Amigos e consolidar o breganejo dos anos 1990, seguido pelo pagode e forró universitário.

Com 31 anos de carreira, Leoni, o criador do Kid Abelha vem, nessas três décadas, tentando manter o espírito do Rock-BR em evidência. Mais que isso, busca visibilidade pessoal; mostrar que por trás das canções que compôs e compõe, existe um rosto.

No Kid Abelha, antes de ser o principal compositor da banda, era apenas um dos rapazes que fazia moldura visual e sonora para Paula Toller. Depois, no Heróis da Resistência, sua imagem era diminuída pela grandeza sonora da banda. Herói sem rosto, acostumado a reiniciar, só a partir de 2006, quando lançou o duo CD e DVD “Outro Futuro”, o público começou a ligar seu nome aos hits que compôs e imortalizaram a obra do Kid e até de Cazuza. Criativo e visionário, Leoni está divulgando o espetáculo “Como mudar o mundo?”, lincado às possibilidades das redes sociais.

Caminho parecido tem trilhado a cantora e compositora Verônica Sabino. Depois do início da carreira em dois grupos, o Céu da Boca, entre 1979 e 1984; o Baratotal, em 1982, gravou o primeiro disco solo em 1985. São 28 anos de carreira em que mantém a inquietação criativa. Atualmente, com o show "Bossa, Balanço e Balada" Verônica desvenda, musicalmente, os caminhos do personagem Geraldo Viramundo, criado pelo pai, Fernando Sabino, no romance “O Grande Mentecapto”.




Criado em 05/04/2013 - 13:09 e atualizado em 27/05/2013 - 15:29

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí