Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Tributo a Emílio Santiago

Musicograma presta homenagem ao cantor “único”

Musicograma

No AR em 14/04/2013 - 00:30

Emílio Santiago - Arte: Osmério EllerEmílio Santiago - Arte: Osmério EllerCrianças vindas de infâncias pobres ou abandonadas; adotadas por famílias caridosas ou pelo Estado, foram capazes de decidir a própria sorte. Buscaram na música superação e afirmação, escolhas que o público compreendeu e consagrou.

Emílio Santiago construiu uma história longa e sólida. O primeiro sonho foi a diplomacia, o que o levou a formar-se em Direito. A troca definitiva da toga pelo palco ocorreu em 1973, quando lançou o primeiro compacto com as canções “Transa de amor” e “Saravá Nega”. Era o que faltava para que começassem os convites para participar dos programas de rádio e televisão.

Embora a crítica situe Emílio como um intérprete da década de 1970, sua popularidade é testada em 1982. Neste ano vencer o Festival MPB Shell da TV Globo com "Pelo amor de Deus" de Paulo Debétio e Paulinho Resende. Numa interpretação extrovertida com direito ao refrão cantado pelo público, ele se firma como o cantor capaz de agradar a todos os ouvidos e cantar todos os gêneros musicais.

A prova veio entre 1988 e 1994 quando gravou a série Aquarela Brasileira de sete LP's/CD's, dedicada exclusivamente ao repertório de música nacional, o projeto que ultrapassou a marca de quatro milhões de cópias vendidas. Nesta época grava “Saigon”, de Claudio Cartier, Paulo César Feital e Carlão, canção densa que precisava de um registro feito por um intérprete que tivesse a empatia de Emílio Santiago.

Esta canção é um marco na carreira de Emílio. A partir dela é possível apreciar a maturidade do cantor “único”, como os amigos e os técnicos admitiam, pois era um dos poucos artistas que dispensava afinação vocal no estúdio.

Ao morrer aos 66 anos de idade, no ano em que comemorava a conquista do Grammy Latino de Melhor Álbum de Samba/Pagode, pelo CD “Só danço samba, lançado em 2010, Emílio estava consciente e pleno de que as glórias e os ais que cantou nestes 40 anos de carreira eram tão seus quanto nossos.




Criado em 28/03/2013 - 15:18 e atualizado em 27/05/2013 - 14:57

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí