70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial

Programa jornalístico analisa a representação na arte e a cobertura da mídia sobre o assunto

Diretor Vicente Ferraz (ao centro) nos bastidores do filme "A Estrada 47"O Observatório da Imprensa relembra os 70 anos do fim da Segunda Guerra na Europa com uma entrevista especial com o cineasta Vicente Ferraz e o músico João Barone sobre o conflito que dizimou seis milhões de judeus e reordenou a geografia, a política e a economia mundial. Também participa do debate o jornalista Ricardo Bonalume Neto.

Na Europa e no resto do mundo os jornais lembraram os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial com o devido destaque. Aqui, o fato não mereceu o olhar aguçado da mídia. O ponto dissonante ficou por conta do nosso cinema com o longa "A Estrada 47" de Vicente Ferraz, já considerado o melhor filme nacional produzido sobre a FEB - Força Expedicionária Brasileira - e à altura da participação do Brasil no conflito mundial.

A ficção conta a história de um esquadrão de soldados brasileiros caçadores de minas terrestres nos montes gelados da Itália. No grupo heterogêneo há um negro, um nordestino e um jornalista correspondente de guerra. O diretor explica que quis desfazer a imagem maltrapilha dos soldados da FEB, “mas sem ser ufanista, sem heroísmos”.

Outro expoente pesquisador do assunto, o músico João Barone também é convidado do Observatório da Imprensa. Baterista do grupo Os Paralamas do Sucesso, Barone é filho de ex-combatente e já produziu dois documentários e dois livros sobre o acontecimento que o fascina desde criança. O artista já prepara uma minissérie sobre o conflito porque acredita que “é importante falar sobre o tema, conhecer sua história e valorizar seu passado”.