Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Atentado em Paris

Observatório da Imprensa aprofunda o debate sobre a cobertura da mídia

Observatório da Imprensa

No AR em 20/11/2015 - 01:00

Professor Marcus Vinicius de Freitas e jornalista Adriana Carranca com apresentador Alberto Dines. Crédito: Giovana TizianiO maior atentado da história de Paris mobilizou a mídia mundial logo depois dos primeiros ataques na capital francesa que provocou pelo menos 129 mortes e centenas de feridos. No Brasil as emissoras de televisão, rádios e sites passaram a transmitir on line as imagens que chegavam de diversas agências e fontes diferentes.

O  planeta globalizado e conectado garantiu inúmeros vídeos e fotos que se propagaram  rapidamente. As fortes cenas das explosões e assassinatos nos diversos tiroteios realizados por seguidores do Estado Islâmico chocaram a audiência e o mundo se mobilizou ao redor da capital da liberdade, igualdade e fraternidade.

Aqui, as redes sociais serviram de plataforma para uma intensa discussão sobre a atenção dada aos ataques de Paris em comparação com o vazamento da Barragem em Mariana, Minas Gerais, pela empresa Samarco, da Vale e da australiana BHP Billiton. Doze dias depois do vazamento os jornais estamparam que este é o maior acidente da história por barragens de rejeitos de mineração. Na disputa pela magnitude dos fatos, a imprensa se perde.

O Observatório da Imprensa quer aprofundar o debate da cobertura da mídia nos atentados e    contextualizar os conflitos religiosos no mundo contemporâneo.




Criado em 18/11/2015 - 15:44 e atualizado em 02/12/2015 - 13:11

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí