Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Polícia usa balas de verdade na reconstituição do caso Marielle Franco

Foram mais de cinco horas de reconstituição

Repórter Brasil

No AR em 11/05/2018 - 09:30

A polícia do Rio de Janeiro usou balas de verdade na reconstituição do assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSol, e do motorista dela, Anderson Gomes, ocorrido há quase dois meses. A intenção era que as quatro testemunhas que estavam no local do crime tentassem reconhecer o som e a cadência dos tiros, o que pode ajudar a esclarecer alguns pontos das investigações.

Foram mais de cinco horas de reconstituição, que começou no fim da noite dessa quinta-feira (10) e só terminou por volta das quatro horas da madrugada desta sexta (11).

De acordo com a Polícia Civil, que investiga o caso, a reconstituição simulada é uma forma de reunir possíveis provas para o inquérito. Isso porque não há registro de imagens pelas câmeras de trânsito ou de segurança da região do momento do homicídio

O que os investigadores queriam era definir como foi a dinâmica do crime, a movimentação dos veículos, ter acesso à percepção auditiva, por exemplo, das testemunhas que acompanharam a simulação para saber se os tiros que atingiram Marielle Franco e Anderson Gomes foram rajadas ou intermitentes.

Agora, todo o material produzido ontem vai ser analisado pelas equipes que investigam o caso e cruzado com outros elementos que já compõem o inquérito.
 

Criado em 11/05/2018 - 15:40 Por TV Brasil

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Ultimas

O que vem por aí