Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Budismo Tibetano – carma e renovação

No Budismo Tibetano, também conhecido como Budismo Vajrayana, não há

Retratos de Fé

No AR em 10/04/2017 - 09:30

Palestra com Adzom Gyalse Rinpoche no Centro Budista Chagdud Gonpa Dawa Drolma. Casa Branca (MG). Foto: Luisina López Ferrari.
De acordo com Lama Norbu, que vive no templo Odsal Ling, em São Paulo, “o Budismo é um pouco diferente das religiões convencionais, já que não parte da ideia de um criador supremo que é responsável por tudo que a gente vê.” No Budismo, acredita-se que a mente cria tudo. “É a presença da perfeição, é a presença da suprema bondade que a tudo permeia. Todo ser tem dentro de si a qualidade da bondade, é a natureza pura da nossa própria mente”, conclui.

Terra Pura de Padmasambava. Três Coroas (RS). Foto: Luisina López Ferrari.Nessa religião, surgida na Índia, cada ser é responsável por sua própria experiência, criando seu próprio carma. A praticante Yvonne Vieira acredita que seu encontro com Rinpoche e com o Budismo faz parte do seu carma. “Comecei a estudar o Budismo e quando eu encontrei o Rinpoche, a gente chama isso de carma: quando aparece o momento, quando amadurece o momento, você vai pra isso sem dúvida”, relata.

Yvonne frequenta e mora no templo Khadro Ling, em Três Coroas (RS), primeiro templo Budista Tibetano fundado no Brasil, idealizado por Chagdud Rinpoche, lama nascido no Tibete que viveu seus últimos anos no Brasil. Rinpoche é considerado um dos grandes mestres do Budismo.

Uma das crenças do Budismo Tibetano é a reencarnação. “No Budismo, nós acreditamos na reencarnação e que uma mente, de acordo com os hábitos e tendências dela, pode nascer em vários tipos de formas, desde os animais até uma forma humana”, explica Salim Zaidan, coordenador do Centro de Budismo Chagdud Dawa Drolma, em Casa Branca (MG). “O hábito é que vai fazer a escolha. Então essa pessoa que escolhe um caminho de não prejudicar o outro, de não prejudicar a si mesmo, essa pessoa – querendo ou não – vai ter uma vida melhor.”

Direção: Alfredo Alves.
Produção: Breno Nogueira, Luciana Gomide, Frederico Nogueira.

 




Ultimas

O que vem por aí