Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

União do Vegetal – espiritualidade e comunhão

Retratos de Fé conversa com líderes e praticantes da tradição

Retratos de Fé

No AR em 03/04/2017 - 09:30

Mestre do Conselho da Recordação dos Ensinos do Mestre Gabriel, José Luiz de Oliveira serve o chá hoasca. Sede Geral, Planaltina (DF). Foto: Luisina López Ferrari.Praticantes batem o cipó-mariri para o preparo do chá. Sede Geral, Planaltina (DF). Foto: Luisina López Ferrari.
“Mestre Gabriel é um mensageiro de Deus, um ser que vem pra trazer a luz para a humanidade. Um ser que vem no cumprimento da sua missão com o intuito de trabalhar pelo ser humano. Que quer ver o progresso e o crescimento do ser humano no sentido de se espiritualizar”, define o sócio do núcleo Flor Encantadora, de Betim (MG), Silvio Fiedler.

Em Araçariguama (SP), o mestre representante Rodrigo Polignano explica que “a União do Vegetal é um centro espírita beneficente de caráter cristão reencarnacionista, onde se comunga o chá hoasca nos rituais religiosos.” Rodrigo acrescenta que os praticantes da União do Vegetal acreditam na existência de um Deus, de um ser supremo que é o criador de tudo, e na vinda de Jesus, filho de Deus.

O chá hoasca (também conhecido como ayahuasca), neste contexto, é utilizado para “facilitar a concentração mental. E dentro de um estado de concentração, poder ter um estado de consciência ampliado e poder perceber a realidade, a presença desse ser superior”, conta Polignano.

“Assim como o católico tem a hóstia consagrada, com que faz a comunhão com Deus, a nossa comunhão é com esse chá”, explica o mestre do CPraticantes preparam o "vegetal". Sede Geral, Planaltina (DF). Foto: Luisina López Ferrari.onselho da União do Vegetal José Luiz de Oliveira. “Quando bebemos esse chá, estamos comungando com a grandeza divina, com Deus.”

O chá é consumido durante os rituais, as chamadas sessões de escala. “As sessões de escala são duas vezes por mês, nos primeiros e terceiros sábados de cada mês, é quando a gente comunga o vegetal”, conta Carolina Marques, sócia do núcleo Rei Salomão, de Betim (MG).


Direção: Alfredo Alves
Produção: Breno Nogueira, Denise Flores, Frederico Nogueira

 


 




Ultimas

O que vem por aí