Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Escola Livre de Cinema

Instituição em Nova Iguaçu usa tecnologia audiovisual como instrumento

Sábados Azuis

No AR em 11/03/2012 - 01:00

A Escola Livre de Cinema (ELC) é a primeira escola de audiovisual da Baixada Fluminense e funciona desde julho de 2006 no bairro Miguel Couto, em Nova Iguaçu, Rio de Janeiro.

O próximo episódio da série Sábados Azuis: Histórias de um Brasil que dá certo, que vai ao ar no sábado (10), às 22h, tem como temática o "Brasil Tecnológico" e vai mostrar o trabalho da escola, uma iniciativa do grupo Reperiferia, que antes trabalhava com artes cênicas nas comunidades carentes da Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Ao serem convidados para fazer um projeto para a rede escolar da região, Anderson Barnabé e Marcus Faustini, ambos da Reperiferia, aproveitaram a "explosão" da tecnologia digital e criaram a Escola Livre de Cinema, que usa a tecnologia audiovisual como instrumento de ensino.

Hoje, Anderson é o coordenador artístico da escola e considera que o cinema muda a relação da criança com a tecnologia."Enquanto em casa o pai diz "não mexe aí", a gente entrega a câmera e diz: Vai! Filma a sua rua, conversa com a sua família .

A escola atende alunos da 5ª à 8ª série da Escola Municipal Janir Clementino durante a semana, nos turnos da manhã e da tarde. Há também cursos livres não-profissionalizantes abertos para a comunidade em geral e cursos profissionalizantes voltados para pessoas com o ensino médio completo. Os professores da rede municipal de Nova Iguaçu fazem cursos de capacitação na ELC, para aprender a trabalhar nas salas de aula com o audiovisual.



Uma das ações mais importantes da Escola é o Festival de Cinema de Nova Iguaçu - IGUACINE -, realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura. De lá saiu a produção do documentário "Carnaval, Bexiga, Funk e Sombrinha".

Marina Rosa, 20 anos, diz que entrar na Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu foi uma aposta casual que moldou totalmente seu destino. Chamada para ser educadora do processo com as crianças do Bairro-Escola, em 2009, ela diz que a escola abriu seu pensamento para outras realidades, não só na questão audiovisual, mas em relação a sua visão de mundo.

 

 




Criado em 11/03/2012 - 03:00 e atualizado em 18/04/2012 - 16:21

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí