Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Samba na Gamboa  recebe Xande de Pilares e Juninho Thybau 

Programa presta tributo a mestres da arte do improviso

O programa Samba na Gamboa deste sábado, dia 19, é uma homenagem aos grandes versadores, mestres da arte do improviso. No bate-papo com o apresentador Diogo Nogueira, dois expoentes das rodas de partido alto, Xande de Pilares e Juninho Thybau, mergulham na história dos mais famosos quintais do Rio de Janeiro e da poesia que brota dos terreiros. Samba na Gamboa vai ao ar às 18h30, na TV Brasil. No repertório do programa, “Filhos de Jorge”, “Nosso jeito”, “Clareou”, “Brincadeira tem hora”,  “Deus é mais” e “A vitória demora, mas vem”. 

Nascido de uma linhagem nobre, Juninho Thybau é herdeiro de nomes como Zeca Pagodinho (tio), Beto Gago (pai) e do avô, Thybau, que promovia grandes rodas. Cantor e compositor, ele já coleciona sucessos como “A vitória demora mas vem”, gravada por Diogo Nogueira, e “Eu carrego o patuá”, gravada por  Mariene de Castro. 

Xande de Pilares foi criado no Morro da Chacrinha, onde a família já realizava encontros musicais no quintal. Aprendeu a tocar violão ainda menino. Autodidata, foi aprimorar seu talento nos pagodes do Cacique de Ramos e outros célebres terreiros do samba do Rio. Em 1992, passou a formar o grupo Revelação e hoje brilha em carreira solo.

Na conversa com Diogo Nogueira, Xande conta que sua mãe era muito severa, e como não gostava que andasse muito pelo morro, ele se divertia com o violão em casa. Como os tios tocavam, foi aprendendo e aperfeiçoando seu talento ainda menino. Mais tarde, foi metalúrgico, trabalhou como faxineiro, mas nunca abandonou seu sonho. 

Frequentava rodas como a do Cacique de Ramos, onde aprendeu a arte de versar com feras do partido alto.  No mais famoso quintal do samba, conheceu Beth Carvalho, Arlindo Cruz, Zeca Pagodinho e Almir Guineto. 

Juninho Thybau também tem na família sua grande inspiração. A casa do velho Thybau, o avô, era o grande quartel-general da família. Aos poucos, Juninho foi ganhando fama nas rodas da cidade e suas composições foram se tornando famosas mesmo sem mídia nem rádio.  

Sobre a capacidade de improvisar nas rodas de partido alto, uma de suas principais características, ele brinca: os amigos já o jogaram no miolo da roda do Pagode do Cobra, uma das mais tradicionais, para versar. E ele não fez feio. Dali, foi para o Cacique de Ramos, onde o saudoso Renatinho Partideiro, um dos mais famosos versadores do mundo do samba, o botou no palco. Uma consagração para um talento em ascensão. 

Xande e Juninho também fazem homenagem a um dos maiores nomes do partido alto no Brasil: o mestre do samba, Almir Guineto. Expoente do Morro do Salgueiro, Almir foi um dos mais respeitados artistas do mundo do samba. Fundador do grupo Fundo de Quintal, introduziu inovações como o banjo adaptado com braço de cavaquinho. Sua maneira de tocar o instrumento, originalíssima, se espalhou pelas rodas do Brasil. 

Entre os maiores sucessos, estão “Caxambu”. “Mel na Boca”, “Lama nas ruas” e “Conselho”. Almir de Souza Serra faleceu em maio de 2017, deixando fãs e amigos, como Zeca Pagodinho e Beth Carvalho, inconsoláveis. Sua música, “Coisinha do pai”, composta com Jorge Aragão e Luiz Carlos, foi usada pela Nasa no projeto Pathfinder: um robô foi acordado na superfície do planeta vermelho ao som do pagode carioca por influência da engenheira brasileira Jaqueline Lyra.  

Para grandes estudiosos do samba, como Nei Lopes, o talento do ex-gari e atendente de farmácia Guineto foi fundamental para toda a revolução musical que ocorreu embaixo da tamarineira do Cacique de Ramos. Sua forma de cantar e as influências do jongo, do partido alto, o estilo especialíssimo de tocar o banjo, foram fundamentais para conquistar o público. Foi uma das mais apaixonadas vozes do partido alto, gênero em que um, dois ou mais versadores cantam, normalmente, em forma de desafio com uma parte da canção em coral e outra de versos improvisados.

Serviço

Samba na Gamboa - sábado, dia 19, às 18h30, na TV Brasil 

Da Gerência de Comunicação Institucional
Empresa Brasil de Comunicação - EBC
Contato: (21) 2117-6471 / (21) 2117-6239

 

Criado em 17/01/2019 - 17:15 e atualizado em 17/01/2019 - 17:15

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí