Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Africanidade e suas misturas

Edição destaca a importância e a riqueza da música africana

Segue o Som

No AR em 10/03/2018 - 15:00

Este Segue o Som não vai deixar ninguém parado! Os apresentadores Maurício Pacheco e Mariano Marovatto voltam às origens e investigam a riqueza e a importância da música africana através das misturas dessas raízes com tantas outras culturas ao redor do mundo.

Mariano Marovatto entrevista o maestro Letieres Leite
Mariano Marovatto entrevista o maestro Letieres Leite - Divulgação

Se historicamente a Europa colonizou a África, esse episódio mostra que hoje em dia acontece, sobretudo no campo da música, um refluxo, com a cultura africana inundando os países europeus. Três artistas diferentes são os convidados para ilustrar todo esse intercâmbio. Mariano Marovatto entrevista Letieres Leite, maestro e fundador da big band Orkestra Rumpilezz, que já estudou na Europa e ajudou a sistematizar a escrita da música de matriz afro-baiana. “O caleidoscópio de combinações rítmicas no Brasil é muito vasto, e o músico brasileiro durante muito tempo não teve consciência da questão da origem antropológica, de que aquele ritmo tem um rigor, uma estrutura própria. Então a gente tocava, sempre de forma intuitiva, justamente porque a música popular não estava sistematizada”, afirma o maestro baiano.

Maurício Pacheco entrevista o cantor Stromae
Maurício Pacheco entrevista o cantor Stromae - Divulgação

Maurício Pacheco conversa com Stromae, cantor e compositor belga cujas canções têm batidas que fazem dançar, e letras que fazem pensar. Com o pai ruandês e a mãe belga, Stromae carrega em seu DNA pessoal e musical a mistura entre África e Europa. Sobre a influência africana em seu trabalho, o músico afirma: “Eu conheço a África através da Europa, através do canal ocidental, mas uma coisa que marcou enormemente minha infância foram as festas que eu frequentava em Bruxelas, festas que reuniam várias comunidades de diversos países africanos, Camarões, Congo, Ruanda, em uma ambiência africana misturada. Para mim foi uma coisa que reincorporei a partir do meu segundo álbum. Foi importante dar voz às minhas origens.”

Mariano recebe também a cantora Mingas, de Moçambique. Ela é uma das maiores representantes da marrabenta, um ritmo local que caiu no gosto dos portugueses durante a colonização. Mingas fala sobre particularidades do ritmo e ligações entre Moçambique e Brasil. “Os brasileiros quando estão em Moçambique e escutam marrabenta contam que o ritmo lhes recorda um bocadinho da música brasileira. E isso é muito natural, porque o contato com a música brasileira já vem de muitos e muitos anos, nós escutamos muita música brasileira”, explica a artista.

Cantora Mingas, de Moçambique
Cantora Mingas, de Moçambique - Divulgação

Criado em 06/03/2018 - 11:45

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Ultimas

O que vem por aí