Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

20 anos de Cultura Viva

Com mais de 5 mil Pontos de Cultura espalhados pelo Brasil

Caminhos da Reportagem

No AR em 08/07/2024 - 23:00

A Política Nacional de Cultura Viva completa duas décadas em 6 de julho. A concretização dessa política se deu com os Pontos de Cultura, reconhecidos como grupos que desenvolvem atividades culturais em suas comunidades. O programa ajudou a fortalecer essas práticas, sendo considerada a primeira política de base comunitária do Sistema Nacional da Cultura. O Caminhos da Reportagem desta segunda-feira (9) traz um panorama do Cultura Viva e mostra como o programa tem sido importante para a cultura nas mais diferentes regiões.

São 5.166 Pontos de Cultura espalhados pelo Brasil. Somente na Grande São Paulo são 340. Um deles é o São Mateus em Movimento, no extremo leste da capital paulista. O bairro de São Mateus já foi considerado um dos mais violentos da cidade e o projeto busca trazer uma alternativa de cultura para as crianças e adolescentes. O Ponto de Cultura oferece oficinas de instrumentos musicais e de graffiti, aulas de reforço escolar e outras atividades.

Nascido em 1986, o grupo de rap De Menos Crime é uma das referências da região e tem no Ponto de Cultura um apoio para manter seu trabalho. “O São Mateus em Movimento serve de estrutura para a gente estar planejando o que fazer no futuro e dando assistência para os manos que vêm de fora. Através da cultura a gente coloca a consciência e faz a união da comunidade”, diz o rapper Mago Abelha. 

Em Campinas, no interior paulista, o Ponto de Cultura Aquarela é outro local de encontro e troca de saberes. O coordenador do local é Marcos Brytto, que explica que tudo começou com sua mãe, Maria de Oliveira, que fundou uma cooperativa de costureiras e deu início a aulas de alfabetização no local.

“A gente tinha duas turmas de alfabetização, com quase 40 pessoas frequentando a casa diariamente, e 15 costureiras fazendo uma cooperativa de costuras aqui”, conta.

Fundada há mais de 30 anos como Casa de Cultura, com apoio da prefeitura do município, a entidade foi uma das experiências que ajudou a servir de base para a formulação do Programa Cultura Viva. Hoje o Ponto de Cultura oferece oficinas de artesanato, feiras solidárias, formação para professores e diversas atividades culturais, como contação de histórias, apresentações de teatro e de música.

Do interior de São Paulo, a nossa equipe de reportagem seguiu para o Ceará para mostrar a força dos Pontos de Cultura pelo interior do país. A região do Cariri, no Ceará, é um celeiro de cultura popular. No Crato, há quase sete décadas o Mestre Aldenir é brincante do Reisado, manifestação popular que celebra o nascimento do menino Jesus e a chegada dos reis magos, na tradição católica. A filha de dele, Maria Vera da Silva, foi educada na cultura desde criança. “Eu estava com dez anos de idade, ele me trajava de rainha, aí nós íamos brincar no Natal, dia de ano, Dia de Reis. Desde esse tempo que eu peguei esse gosto, até hoje, estou com 66 anos e estou com a energia boa para brincar até mais longe, se Deus quiser”, conta ela. A festa está no sangue da família, e já chega aos bisnetos de Mestre Aldenir, que aos 90 anos ensina a eles e a outras crianças a sua arte.

A forma de olhar para a criação cultural nos territórios foi o diferencial para o Cultura Viva. “Toda política pública é sempre pensada de cima para baixo, a partir do critério da falta, da carência. Com o Cultura Viva e o Ponto de Cultura é o oposto disso. A gente trabalha a partir do critério da potência, da capacidade de transformação que existe nas comunidades”, diz Célio Turino, que coordenou a criação do programa, a partir de 2004.

“O Cultura Viva dá a possibilidade de solidificar as ações culturais de grupos, tanto tradicionais como as novas manifestações culturais, como a cultura urbana, o hip-hop. Essa é a função do ministério neste momento, é colaborar para que todos sejam acolhidos dentro das políticas públicas.”ressaltou a ministra da Cultura. Margareth Menezes.

Ficha técnica: 
Reportagem: Ana Graziela Aguiar
Reportagem Cinematográfica: Alexandre Nascimento e JM Barboza
Auxiliar técnico: Jone Ferreira, Ivan Meira e Wladimir Ortega
Apoio à reportagem cinematográfica: Rogério Verçoza e
Apoio ao auxílio técnico: José Carlos Soares 
Assessoria: Maura Martins
Produção: Thiago Padovan
Apoio à produção: Lucas Cruz e Acácio Barros
Edição de texto: Márcio Garoni
Edição de imagens e finalização: Rodrigo Botosso
Design - Caroline Ramos  
Videografismo - Alex Sakata
Trilha sonora - Ricardo Vilas 

Clique aqui para saber como sintonizar a programação da TV Brasil.

Criado em 05/07/2024 - 16:40

Últimas

O que vem por aí