Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Concentração de renda e Piketty

Programa debate reação ao livro de Thomas Piketty

Observatório da Imprensa

No AR em 03/06/2014 - 23:00

Pauta

Editorial

Dos Telespectadores

Assista na Íntegra

 

Pauta:

As ideias do economista francês Thomas Piketty reunidas no livro “O Capital no século 21” estão causando polêmica e furor na mídia mundial.

Economistas renomados se debruçam sobre o livro, de 950 páginas, para analisar os números e planilhas da evolução da distribuição da riqueza pelo mundo desde a Revolução Francesa.

Apesar de figurar na lista dos mais vendidos do portal de vendas Amazon, a maior livraria online do mundo, e ter recebido elogios de muitos economistas, o livro foi criticado pelo Financial Times, que apontou erros na pesquisa, o que foi descartado imediatamente por Piketty e por outros especialistas.

Para debater o assunto, Alberto Dines conta com a participação da professora de economia Monica de Bolle, tradutora do livro para o português; do economista Sérgio Besserman e da editora do Valor Econômico, Catherine Vieira.

 

Editorial:

Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.

Muito mais do que um extraordinário fenômeno editorial, a repercussão do livro do jovem economista francês, Thomas Piketty, “O Capital no Século 21”, tem a ver com o seu inspirador, Karl Marx, e com os preconceitos que o filósofo alemão desperta nas elites econômicas e políticas há 137 anos, quando publicou o primeiro volume do “Capital”, a obra mais proibida dos últimos séculos.

Mas, o que alavanca o entusiasmo em torno de Piketty, tornando-o instantaneamente uma estrela de primeira grandeza no cenáculo mundial, são as conclusões que procurou comprovar cientificamente: Marx está correto, as desigualdades tendem a eternizar-se, na medida em que a riqueza mantém-se sólida, não se distribui.

Piketty não é um carbonário, é um marxista moderado, militante do partido socialista francês, que está sendo recebido com o maior respeito por publicações notoriamente conservadoras como o “Wall Street Journal” e o “Economist”, este do mesmo grupo que edita o “Financial Times”, que tenta corrigir suas premissas e estatísticas. Em vão.

A chave final para explicar o fenômeno Piketty é a afirmação nas primeiras páginas da introdução: “a economia é algo sério demais para ficar exclusivamente nas mãos dos economistas e cientistas sociais”. A economia concerne a todos. Piketty está parafraseando o político francês George Clemanceau, que chocou os generais durante a Primeira Guerra Mundial, ao dizer que “a guerra é seria demais para ficar apenas nas mãos dos militares”.

A inédita democratização do debate econômico tem a ver com a profissão dos principais players desta história: Marx foi jornalista e dono de jornais na velha Prússia; perseguido e silenciado, acabou como articulista do maior jornal americano na segunda metade do século 19, o “New York Daily Tribune”. Durante onze anos escreveu 350 artigos, alguns em parceria com Friederich Engels, e assim sobreviveu com relativo conforto.

Piketty é colunista mensal do “Liberation” e ocasionalmente colabora com o “Monde”. Seu principal suporte é Paul Krugman, nobel de economia e articulista regular do New York Times.

Fica comprovado: a distribuição da riqueza é também tarefa da imprensa livre.

 

Dos Telespectadores:

Telefonemas:

Vitor Duarte, Rio de Janeiro – Aposentado
Besserman, você pode explicar melhor essa história dos americanos jogando essa quantidade de dinheiro no mercado e no mundo, de 2008 pra cá?

Jorge Rosa Afonso, Rio de Janeiro
Gostaria de fazer uma provocação: o livro do Piketty fala de desigualdade social, mas ele mesmo vai ficar muito rico com as vendas e fazendo palestras. Eu não perco o programa e a cada semana está melhor.

Abimael Mariz, Recife / PE – Economista
Foi muito importante trazerem para o debate o livro do Piketty. Quando vai ser lançado no Brasil e por qual editora? Existem poucos livros sobre a desigualdade social e a riqueza do mundo.

Jorge Luiz Souza, Belém / PA – Sociólogo
Estão falando muito sobre a crítica ao capitalismo e a desigualdade de renda. Por que não se fala sobre a desigualdade ambiental?

Valdomiro Trento, Santos / SP – Técnico industrial
O país depende, fundamentalmente, de uma reforma política e eleitoral onde todos participem.

Raimundo Leal dos Santos, Salvador / BA
Para Hegel, o escravo era fabricado pelo Rei. Para Marx, o escravo era fabricado pelo Rei. O que os sociólogos acham dessa afirmação atualmente?

Ronaldo Maia, Recife / PE – Sacerdote ortodoxo
Por que na bancada só temos intelectuais e economistas debatendo o assunto e nenhum representante de movimentos populares? Gosto muito do programa e, por ser passado numa tevê pública, deveria ter um representante da camada social mais atingida.

Lucia Helena Machiolli, Vila Velha / ES – Analista de sistemas e educadora
Parabenizo o tema de hoje e pergunto: o que há na linguagem do autor que nos faz lembrar a nona sinfonia de Beethoven?

 

Assista na Íntegra:




Apresentação: Alberto Dines

Como assistir
Participe
Arquivo dos programas anteriores à 29 de maio de 2012

OI nas redes sociais:

    

Clique aqui para saber como sintonizar a programação da TV Brasil.

Criado em 29/05/2014 - 19:42 e atualizado em 16/06/2014 - 15:34

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí