Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Estudo inédito revela as principais vítimas de racismo no Rio

Repórter Brasil Tarde

No AR em 19/11/2020 - 14:30

Amanhã, 20 de novembro, é o Dia Nacional da Consciência Negra. Um estudo divulgado hoje (19) revela as desigualdades que insistem em existir no nosso país quando o assunto é a cor da pele. O estado do Rio teve duas vítimas de discriminação racial por dia em 2019; 844 no total ao longo de todo o ano.

O levantamento inédito, realizado pelo Instituto de Segurança Pública analisou três mil ocorrências policiais no estado. Na análise do perfil das vítimas, a maioria é mulher com idades entre 40 e 59 anos.

Além disso, mais de 40% dos ataques partiram de pessoas que não conheciam ou tinham qualquer relação com a vítima. Em relação às ofensas raciais proferidas, elas se relacionavam a aspectos físicos como cor da pele, formato do nariz e textura do cabelo e a própria herança histórica da escravização.

Segundo os pesquisadores, o estudo comprova a gravidade do problema do racismo na nossa sociedade. Ao mesmo tempo, segundo os especialistas, a subnotificação dos registros de crimes como injúria racial e racismo ainda é grande.

Lembrando que para combater a discriminação o melhor caminho é denunciar. O Rio tem a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, mas é possível registrar a ocorrência em qualquer Delegacia da Polícia Civil ou até mesmo fazer isso de forma remota pela internet.

Clique aqui para saber como sintonizar a programação da TV Brasil.

Clique aqui para saber como sintonizar a programação da TV Brasil.

Criado em 19/11/2020 - 17:55

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí