Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Mercado de Trabalho

Inclusão de pessoas com deficiência é tema desta edição

Programa Especial

No AR em 16/09/2017 - 12:00

O Programa Especial desta semana aborda inclusão no mercado de trabalho. Vamos conhecer o Alexandre Augusto, que trabalha em uma empresa de rebocadores e tem síndrome de Down, e Verônica Legentil, que é especializada em pedagogia empresarial.

A nossa equipe também visita a Instituição União dos Cegos do Brasil, no Rio de Janeiro, para saber como funcionam os serviços de auxílio na inclusão do mercado de trabalho para as pessoas que têm deficiência visual. Climério da Silva Rangel Júnior, que dá o assessoramento à direção da instituição e tem deficiência visual, fala sobre a reabilitação que é feita por lá, e também sobre superproteção e abandono nos casos de deficiência.

Fernanda Honorato e o auxiliar-administrativo Fernando Barbosa
Fernanda Honorato e o auxiliar-administrativo Fernando Barbosa - Divulgação

E, ainda, a repórter Fernanda Honorato conversa com Fernando Barbosa, que tem síndrome de Down e conta sobre o seu trabalho dentro de um hospital em Porto Alegre e do que mais gosta de fazer lá: trabalhar com o público e confortar as pessoas. A entrevista faz parte da série sobre protagonismo das pessoas com síndrome de Down.

Alexandre Augusto, que trabalha em uma empresa de rebocadores, fala sobre sua rotina de trabalho e enfatiza a importância de as pessoas que têm a síndrome de Down persistirem e lutarem pelos seus direitos dentro do mundo do trabalho, por terem autonomia e garantirem seus direitos.

Pedagoga empresarial Verônica Legentil 
Pedagoga empresarial Verônica Legentil  - Divulgação

A pedagoga empresarial Verônica Legentil tem mobilidade reduzida por causa de uma poliomielite. Ela trabalha há mais de dez anos com RH, especialmente formado por pessoas com deficiência, buscando a inclusão dessa parcela da população no mercado de trabalho. Ela trabalha em sistema de home-office.

Verônica conta que sua a sua primeira opção quando fez o vestibular era estudar Direito, porque sempre quis lutar pelos direitos da pessoa com deficiência. Depois de ingressar em Pedagogia, diz ter se apaixonado pelo curso e foi descobrindo meios de trabalhar com o público deficiente de empresas. Sua monografia teve como tema a importância do pedagogo na inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. 

Ultimas

O que vem por aí