Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Depois eu conto

Cine Retrô

No AR em 04/03/2021 - 22:30

Jovem pobre que trabalha como frentista no subúrbio do Rio, Zé da Bomba (Anselmo Duarte) usa com frequência o Cadillac do patrão para ir à Boate Astral, local no qual se passa por um bem-sucedido empresáro paulista. Para compor a fachada, Zé tem a a ajuda de seu inseparável amigo Renatinho Pinga-Fogo (Grande Otelo), que finge ser o colunista social Renê Dorê.

Sônia (Eliana Macedo) é vizinha e namorada de Zé da Bomba. Sua tia Ofélia (Dercy Gonçalves), por intermédio de um dos donos da Boate Astral, descobre que Zé ficou noivo da sofisticada Marilu Biscaim (Ilka Soares) e decide desmascará-lo.

Crítica à alta sociedade carioca, a comédia musical satiriza a onda de "glamourização da pobreza" em voga nos anos 1950, retratada na sequência final, com a inauguração da "Boate Favela" no alto do morro.

TV Brasil exibe a comédia musical "Depois eu conto", de 1956
TV Brasil exibe a comédia musical "Depois eu conto", de 1956 - Divulgação/TV Brasil

“Depois eu Conto” traz números musicais com Dercy Gonçalves em dueto com Grande Otelo, além de Jamelão cantando "Exaltação à Mangueira" (Enéas Brites da Silva e Aluízio Augusto da Costa), e Eliana Macedo personificando Carmem Miranda. Dercy Gonçalves ainda apresenta uma paródia do sucesso “Ninguém me Ama” (Antônio Maria).

Inédito. 96 min. Ano: 1956. Gênero: comédia musical. Direção: José Carlos Burle, Watson Macedo. Classificação Indicativa: 12 anos.

Clique aqui para saber como sintonizar a programação da TV Brasil.

Criado em 08/12/2020 - 10:45

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí