Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Maria Cristina Peduzzi, presidente do TST, é a entrevistada

Magistrada dá orientações sobre o trabalho remoto

Impressões

No AR em 12/07/2020 - 22:30

“O trabalho remoto veio pra ficar”, avalia a presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Maria Cristina Peduzzi. A magistrada, a primeira mulher a presidir a Corte, é a convidada deste Impressões.

Na entrevista, ela comenta as mudanças provocadas pela pandemia de Covid-19. Alerta sobre a jornada legal no teletrabalho, revela aumento de ações pedindo equipamentos de segurança para profissionais de saúde e também analisa as novas relações de trabalho, como aquelas entre motoristas e entregadores de aplicativo e as plataformas digitais.

Peduzzi é a primeira mulher a presidir a Corte Superior do Trabalho
Peduzzi é a primeira mulher a presidir o TST - Agência Brasil/ Fábio Pozzebom

Pesquisa realizada pela consultoria Betania Tanure Associados (BTA) mostra que 43% por cento das empresas privadas passaram a adotar o trabalho remoto durante a pandemia. Nessas empresas, 60% dos funcionários estão trabalhando de casa.

Embora o home office esteja fora do alcance da Consolidação de Leis Trabalhistas (CLT), a ministra Maria Cristina Peduzzi alerta que “é muito importante que empregado e empregador busquem ter, cada um a seu modo, provas de que o trabalho está sendo realizado no período de oito horas”, que é a jornada padrão.

“Apesar de haver flexibilidade, o empregado não pode trabalhar 18 horas por dia. Se ele fizer isso e comprovar, terá direito a horas extras”, explica a magistrada.

A presidente da Corte Superior do Trabalho vê como uma das vantagens do trabalho remoto a compatibilização da redução de custos do empregador com a flexibilidade e otimização do tempo para o empregado. Peduzzi revela ainda que 20% dos acidentes de trabalho ocorrem no percurso entre a casa do trabalhador e a empresa.

Desde antes da pandemia, a magistrada lembra que o mundo do trabalho vinha sofrendo transformações. Para atender a nova realidade, como o caso dos motoristas e entregadores de aplicativo, mudanças devem ser feitas. “Alguns mecanismos precisarão ser estabelecidos para disciplinar essas novas formas de trabalho que vão surgir, não necessariamente, [no entanto], sob o vínculo do emprego”, opina. “Temos que preservar o humano, não necessariamente o emprego”, completa.

“O trabalho remoto veio pra ficar”, avalia a presidente do TST, Maria Cristina Peduzzi
“O trabalho remoto veio pra ficar”, avalia a presidente do TST, Maria Cristina Peduzzi - Divulgação/TV Brasil

Criado em 09/07/2020 - 17:40

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí