Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Crianças devem ser prioridade absoluta na pandemia, defende Unicef

Florence Bauer alerta para o risco de jovens não voltarem a estudar

Impressões

No AR em 09/08/2020 - 22:30

Profissionais de educação e pais, nas cidades brasileiras, começam a vislumbrar os primeiros sinais de uma retomada do ensino presencial. As aulas foram suspensas no início do ano, como medida para conter a contaminação pelo coronavírus. Nos municípios onde a transmissão está mais estável, governos autorizaram a reabertura de escolas e definiram calendários.

A notícia gera ansiedade sobre a capacidade de as escolas garantirem medidas sanitárias. “Vai ter que ter instalações para lavagem de mão, distanciamento e vai ter que ter um programa para incluir, sobretudo, as crianças e adolescentes que ficaram sem poder estudar”, alerta a representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Brasil, Florence Bauer.

Florence Bauer, representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Brasil
Florence Bauer, representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) no Brasil, por Divulgação/TV Brasil


Ao programa Impressões, da TV Brasil, a especialista franco-alemã comenta a realidade de escolas que sequer conseguiam garantir instalações apropriadas para aulas e que, agora, terão que enfrentar o desafio de assegurar condições de higiene mais exigentes e o distanciamento.

Florence Bauer também alerta para o “o risco de perder uma geração” fora da escola. “Mesmo antes da pandemia, havia 1,7 milhão de crianças e adolescentes fora da escola e uma grande parte são adolescentes. Só uma parte [dos que já estudavam] conseguiu ter acesso a um tipo de educação, outra, não tem nem acesso à internet. [A adolescência] é uma fase de vida que esse vinculo é fundamental para o desenvolvimento”, afirmou.

Na conversa com a jornalista Katiuscia Neri, ela lembra que quase 5 milhões de crianças e adolescente entre 9 e 17 anos não têm acesso à internet no país. E defende meios para ampliar a infraestrutura e o acesso a telecomunicação no país. “É o momento de dar um passo radical para oferecer esse pacote mínimo [de acesso de dados] a todas as crianças e adolescentes, sobretudo as mais vulneráveis, como uma forma de buscar a inclusão digital”, defendeu.

O acesso à educação está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que completou 30 anos em julho, sendo apontado, pela representante do Unicef, como uma das legislações mais sofisticadas do mundo. Porém, com a fragilização inevitável de alguns direitos neste momento de pandemia, a especialista defende um esforço redobrado.

“O fundamental é colocar as crianças e adolescentes no centro das políticas públicas. Mais do que nunca é fundamental aplicar o princípio da prioridade absoluta. Investir mais em educação, saúde e prevenção da violência para consolidar os avanços conquistados até agora”, concluiu.

"Crianças e adolescentes devem ser prioridade absoluta", afirma Florence Bauer, da Unicef
"Crianças e adolescentes devem ser prioridade absoluta", afirma Florence Bauer, da Unicef - Divulgação/TV Brasil

Clique aqui para saber como sintonizar a programação da TV Brasil.

Criado em 06/08/2020 - 17:25

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas

O que vem por aí