Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Devotos da Canção

Episódio reverencia talento e carreira de Roberta Sá e Cézar Mendes

Samba na Gamboa

No AR em 21/12/2018 - 21:45

Esta edição Samba na Gamboa é um encontro sagrado entre dois devotos da canção: Roberta Sá e Cézar Mendes. Duas gerações, trajetórias fiéis à MPB que se encontram em belezas como “Se for pra mentir”, de Cézar e Arnaldo Antunes, na voz de Roberta.

O episódio é uma celebração do lirismo e da poesia da Música Popular Brasileira. Entre as canções do repertório: “Também pede bis”, “Desistiu de mim”, “Inconsequência”, “Se for pra mentir, “Me erra”, “Amanhã é sábado”, “Codinome beija-flor”, “Pé na Areia”, “Verdade chinesa” e “Sangrando”. O violonista e a cantora falam sobre a riqueza de seu encontro musical, a paixão pela música, os saraus na casa de Caetano Veloso e o cuidado na escolha do repertório. O baiano Cézar conta histórias curiosas sobre sua conhecida discrição -- é avesso a badalações e vaidades --, e Roberta fala do sucesso de seus últimos trabalhos. 

Diogo Nogueira recebe a cantora Roberta Sá e o violonista Cézar Mendes
Diogo Nogueira recebe a cantora Roberta Sá e o violonista Cézar Mendes - Divulgação/TV Brasil

Violonista baiano, Cézar Mendes nasceu em Santo Amaro, terra de Dona Canô, mas só quando Caetano Veloso o viu na rua e o convidou para uma festa que se aproximaram. Neste encontro, o instrumentista conheceu Gilberto Gil, que influenciaria para sempre seu trabalho. Para estudar música, foi morar em Salvador, onde começou a dar aulas. Até hoje ensinar violão é sua principal fonte de renda. Tem alunos famosos, como Fernanda Torres, Marisa Monte e Daniela Mercury. Tem canções gravadas por Gal Costa, Maria Bethânia, Chico Buarque, Arnaldo Antunes, Marisa Monte, entre outros grandes nomes da MPB. Seu time de parceiros também é estrelado: vai de Capinam a Pretinho da Serrinha e Caetano Veloso. No disco “Delírio”, Roberta Sá gravou três de suas composições, uma delas em dueto com Chico Buarque ("Se for para mentir", composta com Arnaldo Antunes). Compôs com Tom Veloso a música “Um só lugar”, também gravada por Roberta, que comenta que o violão de Cezinha, como os amigos conhecem, é alvo de todas as atenções nos encontros musicais na casa de Paula Lavigne. 

Cezinha também é elogiado pelos amigos pela simplicidade e aversão aos holofotes. Diz que sobrevive com pouco, não é de luxos, logo não esperem que suba em palcos. Mas cada vez mais seu nome vem sendo cantado nos cadernos culturais dos jornais, pelo sucesso de suas composições. A primeira foi feita por insistência de Paula Lavigne. Cezinha, que morava em Itapuã, estava no ônibus quando compôs a melodia de “Aquele frevo axé”. Ligou para Caetano, assobiou a canção e desligou. Virou faixa-título do álbum de Gal Costa, de 1998.

Roberta Sá tem uma das mais bem-sucedidas carreiras da MPB de sua geração. Elogiada pela crítica e amada pelo público, construiu uma trajetória coerente com sua formação. Suas influências musicais vão de João Gilberto a Milton Nascimento, Elis Regina, Chico Buarque, Caetano Veloso, Elsa Soares, Ney Matogrosso, entre outros. Performática em suas atuações no palco, também cita a cantora Carmen Miranda como inspiração. 

Sua história musical começou em 2002 em um show no Mistura Fina. Então seu preparador vocal Felipe Abreu (irmão de Fernanda Abreu) chamou Rodrigo Campello para produzir sua primeira demo, que foi levada a Gilberto Braga. Foi a chance de Roberta ser chamada para gravar “A vizinha do lado”, de Dorival Caymmi, que integrou a trilha da novela “Celebridade”. Desde então, seu trabalho é uma declaração de amor ao samba e aos ritmos que moldaram sua história na música. Em seus trabalhos, acerta ao apostar em jovens compositores que vêm se destacando no cenário atual e nos veteranos que conferem lastro às suas interpretações.

Seu primeiro disco, “Braseiro”, trazia canções de Chico Buarque (Pelas Tabelas), Paulinho da Viola (Valsa da Solidão) e talentos que emergiam na época, como Rodrigo Maranhão (Olho de boi) e Teresa Cristina (Lavoura). O segundo álbum, “Que belo estranho dia pra se ter alegria”, ganhou dois prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte, rendeu à cantora dois discos de ouro e indicações para o Grammy Latino como artista revelação do ano e melhor álbum de MPB. Seu mais recente trabalho é o CD e DVD “Delírio no circo”, que conta com o bamba Martinho da Vila. É a gravação do show “Delírio” no Circo Voador, apresentação que foi baseada no álbum homônimo. 
 

Criado em 19/12/2018 - 14:30

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Ultimas

O que vem por aí