Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Caminhos da Reportagem resgata tradições e heranças negras no Brasil

Caminhos da Reportagem

No AR em 15/05/2022 - 22:00

Há 134 anos, a escravidão no Brasil era abolida. O país foi o local na América que mais recebeu negros cativos: 4,86 milhões de africanos escravizados, entre os séculos 16 e 19, segundo o Banco de Dados do Comércio Transatlântico de Escravos, que contém informações de mais de 35 mil viagens de navios negreiros. Mas até hoje, a escravidão ainda ecoa na sociedade brasileira. Na semana em que se lembra esse período do país, o Caminhos da Reportagem traz um pouco da história e das consequências para o país, com o episódio A luta pela abolição, produzido pela TV Feira, parceira da TV Brasil. O programa vai ao ar neste domingo (15), às 22h.

Os principais pontos de partida de um negro escravizado que chegava no Brasil eram Rio de Janeiro e Salvador. Locais onde até hoje a cultura afrodescendente é forte. Na Bahia, muitos negros foram levados para o interior, para cidades como Feira de Santana. Foi lá que Lucas da Feira, um escravo fugitivo, fez história. Precursor do cangaço, formou um bando que aterrorizou a região e ousou a desafiar o sistema da época para viver em liberdade.

Lucas acabou sendo preso pela polícia e morto enforcado em 1849. Mas ainda é uma figura que simboliza em Feira de Santana a rebelião contra o sistema escravocrata. “Eles estavam lutando contra uma estrutura violenta e essa era uma reação a essa estrutura, que tentou tirar dele o direito de ser humano e de ser livre”, explica a historiadora Eliane de Jesus Costa.

Na história pela liberdade, também entram os quilombos, sempre lembrados pelo icônico Quilombo dos Palmares, liderado por Zumbi, que chegou a reunir 20 mil escravos fugidos no interior de Alagoas. A historiadora Railma dos Santos veio de uma comunidade remanescente de quilombo, na Bahia, e explica que várias tradições saíram desses locais. “São tradições que perpassam a escravidãoe a experiência negra rural do Brasil, como o samba de roda, a bata do feijão, entre outros”, conta.

O Bembé do Mercado é uma das tradições no Recôncavo Baiano que comemora a abolição da escravidão
O Bembé do Mercado é uma das tradições no Recôncavo Baiano que comemora a abolição da escravidão - TV Brasil

Quando houve a abolição da escravatura, havia uma expectativa por parte da população negra de inclusão social. E não foi o que aconteceu. Mas a partir daí, também começou a surgir um movimento negro de ajuda aos negros. Prova disso é a Irmandade dos Homens Pretos, de Salvador, que foi responsável pela construção da Igreja do Rosário dos Pretos, símbolo do sincretismo religioso no Pelourinho, em Salvador.

Antes mesmo da abolição, a Irmandade já se movimentava para dar apoio à comunidade negra. “A irmandade começa a angariar fundos para comprar a liberdade de negros escravizados e também para poder cuidar do sepultamento deles”, explica William Justo, primeiro-secretário da Irmandade, que existe até hoje.

É herança desse tempo também a capoeira, uma mistura de dança, luta, artes marciais e música. Da proibição, nos tempos da escravidão, para Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, da UNESCO, a capoeira acompanhou a luta pela liberdade dos negros no país. E hoje, para o mestre de capoeira Ronaldo Santos Rosa, é uma grande propaganda para o Brasil lá fora: “é o maior agente de língua portuguesa, eu já vi um japonês, no Japão, cantando em português porque praticava capoeira”.

A capoeira é uma das grandes manifestações culturais negras do país
A capoeira é uma das grandes manifestações culturais negras do país - TV Brasil

Saiba mais no Caminhos da Reportagem produzido pela TV Feira, A luta pela abolição, que vai ao ar no próximo domingo (15), às 22h, na TV Brasil.

Ficha técnica:

Reportagem e produção: Marcondes Araújo e Renata Maia  

Imagens: Ed Nunes 

Captação de áudio: Davi Cerqueira

Edição de texto: Marcondes Araujo e Renata Maia

Arte e edição de imagens: Ed Nunes

Sonorização e finalização: Rivaldo Martins

Estagiários de produção: Gilvan Rodrigues e Emanuele Sena

Clique aqui para saber como sintonizar a programação da TV Brasil.

Criado em 11/05/2022 - 10:05

Últimas

O que vem por aí