Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Bahia 70

Antonio Carlos e Jocafi revisitam os grandes sucessos da carreira

Samba na Gamboa

No AR em 30/11/2018 - 21:45

Este Samba na Gamboa celebra uma dupla que marcou a música brasileira desde os anos 1970: Antonio Carlos e Jocafi. Responsáveis por clássicos imortais, eles contam sua trajetória e relembram sucessos da carreira de quase cinco décadas.    

No repertório, composições como “Você abusou”, “Mirê, mirê”, “Minhas razões”, “Jesuíno galo doido”, “Desacato”, “Toró de lágrimas”, “Maracangalha”, “Retalhos de cetim” e “Só danço samba”.  De uma rivalidade no início da época dos festivais, nasceu a parceria que levou a sonoridade da música brasileira para palcos do mundo inteiro. Os artistas foram responsáveis por alguns dos mais famosos temas de novelas. A canção “Você abusou” fez sucesso internacional, com uma bem-sucedida versão francesa. No programa, os baianos relembram essas passagens marcantes e as homenagens, em 2010, pelos quarenta anos de vida artística. Também falam de curiosidades da época dos festivais, quando foram aplaudidos por Jorge Amado e Dorival Caymmi em júri. 

O ex-guitarrista da orquestra do maestro Carlos Lacerda, Antonio Carlos Marques Pinto, e o multi-instrumentista Jocafi (João Carlos Figueiredo) começaram a ser conhecidos do público em 1969, através da música “Catendê”, inscrita no Festival de Música Popular Brasileira. Defendida por Maria Creuza, ela acabou fazendo sucesso e gravada pela cantora. Após assinar contrato com uma gravadora, os dois lançaram o disco “Mudei de ideia”, com “Desacato” e “Você abusou”. Foi um imenso sucesso. A partir desse momento, foram procurados por artistas como Maysa para gravar suas músicas. Começava uma carreira sólida, que iria tornar célebre o nome da dupla na história da música popular brasileira. Em 1972 o disco “Eu sei que vou te amar”, de Maria Creuza, Toquinho e Vinicius de Moraes, foi lançado com uma composição dos talentosos baianos, “Catendê”, no repertório. 

Antonio Carlos e Jocafi, responsáveis por clássicos imortais, relembram sucessos da carreira de quase cinco décadas
Antonio Carlos e Jocafi, responsáveis por clássicos imortais, relembram sucessos da carreira de quase cinco décadas - Divulgação/TV Brasil

Com o sucesso, suas músicas ficaram conhecidas por todo o país. Eles se apresentaram em vários festivais e fizeram shows no Brasil e no exterior. Desde então, são muitos sucessos lançados, como “Encabulada”, “Presepada”, “Simbarerê” e “Transas”, do disco “Cada segundo”. Em 1973, lançaram o álbum “Antonio Carlos e Jocafi”, com parcerias como “Teimosa”, “Dona da casa” e “Glorioso Santo Antonio”. No ano seguinte, foi a vez de as canções “Toró de lágrimas” (dos dois músicos com Vevé Calazans) e “Dona Flor e seus dois maridos”, do repertório do LP “Definitivamente”, emplacarem. 

Logo depois, alcançaram o segundo lugar no “World Popular Song Festival”, em Tóquio, com a composição “Diacho de dor”. Desde então, foi uma sequência de bem-sucedidas obras com repercussão aqui e lá fora. Sua canção “Aventureiro”, composta pela dupla com Júlio São Paio, tema da novela “Sinhá moça”, chegou a ser exibida em mais de 20 países. No disco “Antonio Carlos e Jocafi cantam Jorge Amado”, os fãs puderam desfrutar toda a intimidade da dupla com a obra do imortal escritor baiano em canções como “Teresa Batista”, “Dona Flor e seus dois maridos”, “Malvina”, “Gameleira”, “Princesa da noite”, “Otália da Bahia”. Em 2010, Antonio Carlos e Jocafi foram homenageados em Salvador pela Escola Baiana de Canto Popular, no palco do Teatro Solar Boa Vista, pelos 40 anos de carreira. 

Criado em 29/11/2018 - 10:50

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Ultimas

O que vem por aí