Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Geneticista diz que burocracia atrapalha ciência de ponta no Brasil

Em entrevista ao Espaço Público, Lygia da Veiga cobra vontade política

Espaço Público

No AR em 25/05/2016 - 02:00

A geneticista Lygia da Veiga PereiraUma das personalidades brasileiras mais influentes no mundo, a geneticista carioca Lygia da Veiga Pereira, professora da Universidade de São Paulo (USP) que desenvolveu a primeira linhagem de células-tronco embrionárias de multiplicação in vitro no Brasil, diz não haver como ser competitivo fazendo ciência de ponta no país. Em entrevista ao Espaço Público, ela queixa-se do excesso de burocracia. Segundo Lygia, a reclamação não é nova. Ao contrário, tem sido feita por gerações e gerações de cientistas, sem sucesso.

O principal nó, aponta, está na importação de equipamentos e material - como reagentes -, que costuma levar até três meses, tempo em que as pesquisas ficam paradas. Segundo ela, nos Estados Unidos, esse prazo é de um dia. Lygia prevê que a ciência brasileira já avançaria bastante se reduzisse a demora para duas semanas. A cientista cobra vontade política do governo para resolver a questão, seja reunindo os órgãos envolvidos – como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Receita Federal – para discutir uma saída, seja contratando uma empresa de consultoria que indique a solução.

Referência nas pesquisas brasileiras numa das áreas de ponta da medicina mundial, Lygia integrou o grupo de cientistas que criou o primeiro camundongo transgênico em laboratórios brasileiros. É, ainda, chefe do Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias, tendo sido uma das protagonistas do debate nacional que levou o Supremo Tribunal Federal (STF) a liberar, oito anos atrás, as pesquisas com células-tronco embrionárias no Brasil.

Nascida no Rio de Janeiro, em 1967, Lygia da Veiga Pereira formou-se em Física pela Pontifícia Universidade Católica (PUC), fez doutorado em Genética Humana Molecular na Escola de Medicina Mont Sinai, de Nova Iorque, e pós-doutorado pelo Instituto de Biociências da USP. Escritora, é autora dos livros “Sequenciaram o genoma humano, e agora?” e “Clonagem: fatos e mitos”. Sua atuação mais específica é nas áreas de genética humana e médica. 

O Espaço Público é apresentado pelo jornalista Paulo Moreira Leite. Na entrevista com a geneticista carioca, também estão na mesa a professora de medicina da Universidade de Brasília (UnB), Juliana Mazzeu e a editora-chefe da Agência Brasil, Lana Cristina.




Criado em 24/05/2016 - 18:16 e atualizado em 24/05/2016 - 18:42

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Ultimas

O que vem por aí